Visto, lido e ouvido — Diz-me com quem andas

-

- Publicidade -

postado em 14/03/2021 06:00

Uma das curiosidades com relação à recente decisão do ministro do STF Edson Fachin é que, observando-se com maior acuidade, a maioria daqueles que saudaram a restituição da ficha limpa ao ex-presidente Lula e, por tábua, uma iminente pena do ex-juiz Sérgio Moro, o que se constata é que essa parcela é formada, majoritariamente, por indivíduos ou grupos com sérios problemas com a Justiça. Isso para não proferir que estão enrolados até ao pescoço com a lei.

Trata-se cá de uma gente que passou a crer, não se sabe uma vez que, que esse veredito exótico trará consigo uma espécie de anistia universal e irrestrita, varrendo, para debaixo do tapete da mais subida Incisão, operações conjuntas do Ministério Público e da Polícia Federalista, com as dezenas de operações que miraram os mais escabrosos casos de prevaricação já vistos neste país. Assim, o que parecia ser uma miragem distante ou um pesadelo, vai sendo perdoado e remetido ao registo morto dos tribunais.

- Publicidade -

Obviamente, estão nesse grupo também todos aqueles que foram condenados ou tornados réus nessas investigações. Não é um grupo pequeno. Pelo contrário. São muitos e variados. Além da grande quantidade de políticos que foram arrolados nesses casos criminosos e que juram de pés juntos de que tudo não passa de uma trama armada por forças conservadoras e de oposição, é provável encontrar ainda empresários dos mais variados calibres e que sempre tiveram no Estado uma mina abarrotada de ouro. Unidos em obséquio do ex-presidente, estão, logicamente, todos os ministros que por ele e por sua sucessora foram guindados às altas cortes.

- Advertisement -

Com uma retaguarda dessa magnitude jurídica, qualquer possibilidade de pena, pelos crimes que for, passa a ser estranha e até incabível. Compõem esse conjunto de entusiastas, também, os mais caros escritórios de advocacia do país, sabedores, desde o início, que todo esse volumoso e rumoroso processo acabaria sendo atalhado por forças superiores, muito alojadas nos altos postos da República. À essa turba de torcedores da impunidade ao patrono dos butins, vem se juntar, outras forças políticas internas, uma vez que o Centrão e externas, na figura de tiranos uma vez que Maduro, Ortega ou os herdeiros dos irmãos Castro, além do ditador da Coreia do Setentrião.

Juntam-se na confraternização desse descalabro uma secção significativa da prensa vernáculo e internacional, para os quais Lula é um perseguido político, maltratado pelo seu próprio povo. O mais inquietante é constatar que será com essa turba de malfeitores e afins, que o ex-presidente marchará para as eleições de 2022, num verdadeiro revival da volta ao inferno. Muito sabemos que observado de perto, ninguém é normal. Mas com essas companhias, o que se presume é que vale o ditado repetido pelo filósofo de Mondubim: “diz-me com quem andas e eu ti direi quem és”.

- Publicidade -

 

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments