Veja 10 dicas de curso para um jovem jurisperito

Começos de curso são difíceis e na advocacia, que é uma das profissões mais disputadas no país, os desafios são diários, principalmente para os jovens profissionais. Pensando nisso, conversamos com quatro causídicos que deram dicas de ouro para quem está começando.

As sugestões foram gentilmente oferecidas por Amanda Magalhães, presidente da percentagem vernáculo da jovem advocacia do CFOAB; Clarissa Medeiros, secretaria universal da percentagem vernáculo da jovem advocacia do CFOAB; Fernanda Valério, membro da percentagem vernáculo da jovem advocacia do CFOAB; e Robson Saldanha, membro da percentagem vernáculo da jovem advocacia do CFOAB.

Advogados dão dicas de curso para quem está começando.(Imagem: Freepik)

1) O que você quer fazer para o resto da sua vida?

O primeiro passo é se saber de verdade, buscar quais áreas você tem afinidade e não pensar que determinada dimensão dará mais retorno financeiro ou que o retorno será mais célere que outra. O que você gosta de estudar e com o que quer trabalhar? Oriente é o primeiro passo para você crescer e ter sucesso.

2) Seja um(a) técnico!

Se você não sabe para onde ir, pense na dica 1 e se permita, por um tempo determinado, testar várias áreas. Seja honesto com você. Esgotado o tempo dos experimentos, defina a dimensão e siga tão somente por ela. Seja o melhor que você pode ser nela. Seja referência nela. Seja poder nela. E uma vez que? Estudando tudo sobre, mostrando a todos – com moral – que você é técnico, escrevendo e palestrando sobre.

3) Não vá para as redes sociais em 3,2,1!

Calma, expliquemos: o mundo está online, a advocacia está se modernizando, o provimento 94/20 está nos deixando e dando lugar ao novo provimento sobre publicidade (o 205/21 vai iniciar sua vigência em agosto) e é preciso, sim, ser visto também nas redes sociais, no entanto, cadê o teor jurídico relevante? Você já estudou? Já escreveu?

Querer postar qualquer coisa, e mais, patrocinar, impulsionar não vai te levar a lugar qualquer. Antes de qualquer coisa, planeje: defina o seu nicho (qual a sua dimensão de atuação?); defina o seu público-alvo (vai falar para possíveis clientes ou para advogados?); defina a sua periodicidade (vai postar onde, uma vez que e quando?); defina o seu estilo (para se realçar não precisa fazer dancinha, mas sua personalidade tem que estar no que você posta); defina os conteúdos relevantes que levarão informação ao público e te farão ser reconhecido(a) uma vez que técnico.

4) Se atualize sobre os assuntos jurídicos!

Crie o hábito de ler revistas jurídicas. Tire um tempo na sua rotina para se atualizar dos principais assuntos jurídicos em voga. Nessas revistas sempre têm posições atualizadas dos tribunais, posicionamento de juristas sobre determinados temas, contrapontos importantes em temas polêmicos. É importante a jovem advocacia estar antenada ao que está acontecendo. Em uma reunião com um cliente mostrar que está consciente do que tem realizado certamente passa segurança a quem pretende te contratar.

5) Leia de tudo!

O hábito da leitura, seja romances ou livros que em zero se relacionam com o Recta, auxiliam na sua capacidade argumentativa e auxilia na elaboração das petições. É preciso ser simples, objetivo e ao mesmo tempo esgotar determinado argumento em uma redação precisa. Uma boa redação ganha a atenção daquele que você precisa convencer sobre o recta do seu cliente.

6) Esteja pronto(a)!

Nunca vá para uma audiência, sustentação verbal ou reunião com o cliente sem ter estudado o ponto que será tratado. Em uma audiência e em uma sustentação verbal, mais importante que dominar os argumentos de Recta que você defenderá no ato judicial é você ter na sua mente o processo de “cabo a rabo”.

Tudo o que aconteceu no processo você precisa estar absolutamente consciente e, se for preciso, se valer disso uma vez que vantagem em eventual situação inesperada no percurso da audiência ou sustentação verbal. Da mesma forma, em reunião com cliente. Se lhe foi antecipado o ponto, pesquise e estude antes do encontro. Se é para o cliente saber sobre um processo, devore ele previamente. Em tempos de processos digitais, qualquer um tem entrada aos autos e cliente adora olhar seu caso. Qualquer pergunta sobre determinada secção do processo você, uma vez que jurisperito, precisa ter inteiro conhecimento e deixar seu cliente seguro.

7) Conheça suas prerrogativas!

Quando você não tem conhecimento dos direitos inerentes ao tirocínio da advocacia, está sujeito a uma atuação fragilizada. A resguardo inflexível das prerrogativas é garantia, não somente dos interesses dos seus clientes, mas de toda a classe. Outrossim, quando a atuação é limitada ou inviabilizada, os direitos dos clientes são colocados em risco.  As prerrogativas são diferentes, não são favores, não são privilégios.

(Imagem: Freepik)

(Imagem: Freepik)

8) Valorize seu conhecimento e seu tempo!

Advogados são pagos com honorários, e a valorização da classe passa pela prática de valores dignos. No início, os profissionais costumam permanecer com receio de apresentar os honorários e não fechar os contratos, mas é preciso que antes mesmo do cliente, você compreenda o quanto foi investido na sua curso, o quanto se investe na sua atualização, no seu escritório.

Também é importante compreender que se ofídio pelo valor do trabalho, ou seja, por aquilo que sana ou ameniza as dores do cliente. Preço é dissemelhante de valor!

Seguir a tábua é um setentrião para evitar o aviltamento (não cobrar para lucrar um cliente é se desvalorizar, colocar em xeque a sua conhecimento e estimular uma concorrência de preço e não de qualidade), mas mais que isso saiba quanto vale a sua hora de trabalho.

9) Participe de, pelo menos, uma percentagem temática da OAB

Participar de uma percentagem temática da OAB é fundamental para que você tenha duas grandes possibilidades: 1º) aumentar sua rede de contatos entre os colegas da dimensão conforme; 2º) ter entrada a pessoas e eventos que a percentagem proporcionar, tornando-se, inclusive, uma referência na dimensão posteriormente, com possibilidade palpáveis de palestras e visibilidade.

10) Seja jurisperito(a) 24h por dia!

O que isso quer expor? Simples, mostre-se na requisito de jurisperito(a) o tempo inteiro, faça seus familiares, amigos, vizinhos e até mesmo o porteiro do seu prédio compreenderem que você é jurisperito e, em grande secção, pode ser capaz de resolver seus problemas. Mostrar-se nessa requisito de forma integral, principalmente nas redes sociais, faz todos ao seu volta lembrarem do seu nome na hora que precisarem de um jurisperito ou indicar a alguém.

Evento – Fique por dentro!

Para permanecer por dentro de tudo sobre o tema, participe do evento “Curso Jurídica: tendências e dicas práticas para a jovem advocacia”, realizado por Migalhas. O seminário online acontecerá no dia 6/8, sexta-feira, das 9h às 12h30.

Para saber a programação e se inscrever, clique cá.