TJPE rebate acusações feitas por advogados de Sari Corte Real

Em nota enviada à coluna, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) se posicionou sobre as acusações feitas nessa quinta (2), pelos advogados de Sari Corte Real, acerca do processo do Caso Miguel. O grupo Célio Avelino Advogados apontou “informações inverídicas” no site do órgão.

Confira, na íntegra, a nota do TJPE:

Nova nota de esclarecimento
Judwin

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) vem a público novamente para esclarecer a verdade sobre declarações feitas na mídia por escritório de advocacia que defende ré condenada a oito anos e seis meses de reclusão:

1 – O Tribunal reitera todas as informações repassadas anteriormente na nota https://www.tjpe.jus.br/-/nota-de-esclarecimento;

Print de tela do sistema de acompanhamento judicial Judwin aponta que a sentença se tornou pública em 31 de maio de 2022, às 17h21 – TJPE

2 – Conforme aponta “print” de tela do sistema de acompanhamento judicial Judwin (em anexo), a sentença se tornou pública, sim, em 31 de maio de 2022, às 17h21. (Veja “print” de tela acima);

3 – O TJPE não pretende criar polêmica porque seu objetivo será sempre o de promover a Justiça com total imparcialidade. Prova disso é que, em sua nota anterior, não cita nomes de advogados, nem de ré, nem número de processo. E, de logo, adianta que não voltará a debater o tema porque entende que não é de interesse público;

4- O TJPE entende que há a liberdade plena dos advogados de fazer a defesa dos interesses de seus outorgantes, todavia deve-se proceder sem tom agressivo ou desrespeitoso. Não foi o verificado na nota. Por tal razão, o TJPE fará a devida comunicação à Ordem dos Advogados do Brasil/Seção Pernambuco (OAB-PE) a quem cabe adotar as providências que, eventualmente, entenda como cabíveis.