Subida da inflação nos EUA é um risco? Ben Bernanke e El-Erian têm visões muito diferentes sobre os impactos econômicos – Expert 2021

SÃO PAULO – Um dos temas que mais tem frenético o mercado financeiro é o temor sobre a subida da inflação nos Estados Unidos. Enquanto as bolsas já tiveram dias de pânico com os dados recentes, o Federalista Reserve (banco mediano dos EUA) segue com um oração de que a inflação subida é um fenômeno passageiro.

E dois dos nomes mais importantes do mercado nos últimos anos têm visões muito distintas sobre esse cenário. De um lado, Ben Bernanke, ex-chairman do Fed entre 2006 e 2014, concorda com o BC americano de que a inflação não deve permanecer subida por muito tempo, enquanto do outro, Mohamed El-Erian, economista e consultor-chefe do grupo Allianz, está bastante preocupado com o risco inflacionário.

Durante pintura na Expert XP, os dois discutiram suas visões, com Bernanke reforçando que vê a inflação subida porquê um tanto passageiro, principalmente em um cenário em que ela ficou muito inferior da meta de 2% do Fed por bastante tempo, sendo “normal” que agora ela possa permanecer um período supra desse patamar.

Mesmo assim, ele concorda que a inflação está mais subida que o previsto, citando uma série de fatores para isso intercorrer, dentre eles a reabertura econômica, destacando, por exemplo, algumas categorias específicas porquê o caso do preço de carros usados, que podem explicar a visão de que o cenário deve se volver ao longo do tempo.

O economista ainda lembrou do debate sobre a pressão inflacionária do pacote trilionário revalidado recentemente no Congresso americano, mas que, segundo ele, “são voltados a projetos de infraestrutura e falamos de coisas para os próximos 10 anos”. Aliás, ele falou que, os preços das commodities caíram e ficaram mais estáveis neste meio de ano, indicando uma inflação mais moderada para os próximos meses.

Segundo Bernanke, é veste que uma inflação mais subida tem riscos, porquê impactos nos preços de alugueis, que acompanham a subida do preço das moradias. Há também um envolvente de impacto na ergástulo de suprimentos, com portos fechados, por exemplo, o que pode trazer ainda mais problemas de inflação.

O ex-chair do Fed diz que alguns setores estão projetando uma inflação mais subida, mas quando o cenário é visto de uma ótica mais ampla, as projeções de inflação permanecem em níveis próximos aos que o Fed está confortável.

Já El-Erian começou sua resposta dizendo que quer estar inexacto em sua visão, mas que está bastante preocupado com o cenário atual. Ele diz que enquanto se fala muito sobre o CPI (inflação ao consumidor), o PPI (inflação ao produtor) também está eminente, indicando que existe mais pressão inflacionária.

Ele diz que as próprias empresas já não acreditam que a inflação será passageira, mas que a subida de preços irá perseverar por mais tempo. “Eu perco muito tempo falando com empresas, e elas não acham que a inflação é de limitado prazo. Portanto, muitas delas já passaram a aumentar seus preços, confiantes de que a inflação vai perseverar mais tempo”, afirma.

“Temos que ter a mente ocasião para a possibilidade de uma inflação mais subida e persistente”, complementa, ressaltando que os EUA não devem voltar para os níveis dos anos 1970, mas mesmo assim, supra do previsto inicialmente.

Para o economista, a ergástulo de suprimentos não é um impacto de limitado prazo, isso porque elas estão sendo “redesenhadas” em um cenário em que as empresas estão focando em resiliência.

Enquanto isso, ele vê o problema do mercado de trabalho porquê um “quebra-cabeça” em que ninguém sabe o que vai intercorrer, com mais de 10 milhões de vagas. “Nós torcemos para que isso seja temporário”, afirma destacando a dificuldade de projetar os impactos.

As diferentes visões dos dois também levam a projeções muito diferentes, enquanto Bernanke vê a inflação rondando a marca de 2,5% no próximo ano, patamar que ele considera ainda confortável, El-Erian diz que vê os preços aumentando em um nível “mais próximo de 3% do que de 2%”.

A dupla ainda debateu sobre os modelos macroeconômicos, com El-Erian apontando que eles não conseguem captar grandes mudanças estruturais, sendo necessário o Fed ter um contato mais próximo com as empresas e utilizar outras formas para entender os impactados em cenário com mudanças tão fortes porquê o atual.

Por termo, ele ainda ressaltou que sua divergência com Bernanke se dá mais pela trajetória que devemos ter e não sobre onde os EUA irão chegar.

“Eu e ele [Bernanke] não pensamos diferentes em termos de rumo. Se nos perguntarem sobre o que vemos para o porvir dos EUA e da economia daqui a cinco anos, não acho que vamos ser muito diferentes sobre porquê o rumo irá se parecer. O que nós divergimos é sobre a jornada, minha preocupação é que a jornada seja desnecessariamente tumultuada […] Eu concordo com o Ben, nós iremos surdir porquê uma economia mais produtiva, mas é o processo que levará a isso [que preocupa]”, conclui.

As melhores recomendações de investimentos por 30 dias gratuito: conheça o Expert Pass