Pedido de prisão de Sergio Gama surpreende e advogados dizem que as informações são falsas com objetivo de prejudicar o candidato – FaxAju

O candidato a vice-governador, Sergio Gama (MDB), na chapa do petista Rogério Carvalho (PT), tem um provável pedido prisão temporária na Justiça da Bahia. O pedido de prisão é de 27 de junho. Sergio Gama está sendo acusado de “ameaças, dano qualificado e associação criminosa.”

Um advogado bem avaliado que atua na área em Sergipe, consultado pelo Faxaju Online, viu com estranheza o trâmite do processo e antecipou que ele não impede o registro da candidatura de Sérgio Gama a vice-governador.

Acrescentou que o pedido de prisão provisória e solicitação de busca e apreensão em casa dos prováveis envolvidos em um processo, que ainda está em tramitação aparente, não proíbe que nenhum dispute mandato político.

Perseguição política – A informação do pedido de prisão emitido pela Justiça da Bahia contra o empresário Sérgio Gama, candidato a vice-governador (MDB), de Rogério Carvalho (PT), causou surpresa. Segundo a assessoria de Sérgio, o pedido foi feito sem qualquer solicitação de esclarecimentos ao empresário.

A assessoria afirma, ainda, que o empresário Sérgio Gama (MDB) foi surpreendido com a notícia de um documento judicial com pedido de prisão, e achou estranho ela ter sido publicizado no mesmo dia em que os partidos da coligação ‘Sergipe da Esperança’ apresentam o nome dele na chapa majoritária para concorrer ao Governo do Estado de Sergipe.

Em nota, os advogados explicam que as acusações são mentirosas e desprovidas de qualquer prova. E afirmam que houve o uso de informações falsas com o único intuito de manchar a honra e imagem de Sérgio Gama.

Sérgio Gama participou de encontro na noite desta sexta-feira, falando como candidato ao lado dos demais companheiros de chapa, inclusive Rogério Carvalho. Antes, ao lado do pai, João Augusto Gama, ele se reuniu com a cúpula do PT e desmentiu o pedido de prisão, insistindo que não tinha conhecimento da sua existência.

Também houve uma reunião com setores da Secretaria de Segurança Pública para tratar sobre o assunto e SSP desconhecia a ordem de prisão, acrescentando que seria comunicada caso houvesse a emissão do pedido de prisão. Houve um pedido de providências para que houvesse tentativa de identificar todas as notas, o que deverá acontecer já a partir de hoje.