Ministério Público do ES cumpre 37 mandados de prisão em operação contra partido criminosa | Espírito Santo

O Ministério Público do Espírito (MPES), por meio do Grupo de Atuação Peculiar de Combate ao Transgressão Organizado (Gaeco) com esteio da Polícia Militar, deflagrou, na manhã desta segunda-feira (19), uma operação para satisfazer 37 mandados de prisão e 13 de procura e mortificação na Grande Vitória e Setentrião do Espírito Santo. Cinco presos foram transferidos para prisões federais.

As investigações para a “Operação Trégua” tiveram início em 2019 para apurar crimes de uma organização criminosa que contava com a participação de advogados.

De consonância com a investigação do MPES, esses advogados usavam prerrogativas da profissão para prometer a informação das lideranças dessa partido que estavam presos com criminosos em liberdade ou foragidos do sistema prisional.

Para chegar até os investigados, o Ministério Público informou que fez interceptações telefônicas e telemáticas.

Dessa forma, foram encontradas provas de que ações uma vez que tráfico de drogas, obtenção e porte de armas e munições, assassínio de pessoas, queima de ônibus e outras ações violentas foram executadas por meio de informação exercida por advogados.

Ao todo, são cumpridos 37 mandados de prisão preventiva e 13 mandados de procura e mortificação em municípios da Grande Vitória, Aracruz e São Mateus, no Setentrião do estado.

Dos mandados, nove são relacionados a nove advogados, cuja procura e mortificação tem comitiva de representantes da Percentagem de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Espírito Santo (OAB-ES), em cumprimento de decisão judicial da 10ª Vara Criminal de Vitória.

Além dos mandados judiciais, serão cumpridas notificações de advogados para serem ouvidos perante o Grupo de Atuação Peculiar de Combate ao Transgressão Organizado (Gaeco).

Durante a operação, uma regra judicial estadual e federalista pediu a transferência de cinco integrantes da partido presos na Unidade de Segurança Máxima Estadual para o Sistema Prisional Federalista.

Os cinco foram levados para outro estado de avião. A transferência teve esteio do Grupo Peculiar de Trabalho em Realização Penal do Ministério Público (Getep), do Comando-Universal da PMES, da Secretária de Justiça e da Secretaria de Segurança Pública do Governo do Espírito Santo (Sejus), do Departamento Penitenciário Pátrio do Governo Federalista (Depen) e da Polícia Federalista.

Presos são transferidos do Espírito Santo depois operação do Ministério Público — Foto: Divulgação/ MPES

Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo