Marca pessoal na advocacia: o que todo legisperito precisa saber sobre personal branding

-

- Publicidade -
Créditos: snapwire / Pexels

Quem quer atrair clientes de forma efetiva e prospectar com mais facilidade precisa investir em personal branding, ou melhor dizendo, precisa edificar a própria marca pessoal na advocacia e apostar em boas ações de marketing jurídico para promovê-la.

Prestar serviços jurídicos de forma eficiente e ter bons conhecimentos na extensão certamente traz resultados para o cliente e são um diferencial para você, legisperito. Porém, fazer exclusivamente um bom trabalho não basta, principalmente considerando a atual dinâmica do mercado. Com a modernização da advocacia, profissionais que estão ganhando destaque são aqueles que sabem porquê transmitir crédito e poder através da própria imagem e sabem porquê divulgá-la.

Atualmente, investir em uma marca pessoal na advocacia e ações de personal branding não é exclusivamente um pormenor. Essa é uma forma estratégica de se posicionar no mercado e lucrar destaque. Para saber mais, não deixe de conferir!

Personal branding e marca pessoal na advocacia

Antes de falarmos um pouco sobre o processo de construção de uma marca pessoal na advocacia, vale a pena esclarecer alguns conceitos que são confusos para muitos advogados. Sim, estamos falando de “personal branding” e “marca pessoal na advocacia”.

- Publicidade -

Personal branding ou gestão de marca pessoal é o conjunto de ações realizadas para posicionar uma marca pessoal. Essas ações têm porquê objetivo expor os valores e o propósito de um profissional, possibilitando uma percepção mais positiva pelos seus clientes.

O personal branding faz com que profissionais sejam lembrados no mercado. Mas não é só isso. Ele também gera identificação, conexões e sensações positivas que permitem que essa presente do legisperito seja um tanto aprazível e até afetivo. Essa percepção positiva do profissional é o que faz com que inúmeros clientes se mantenham fiéis, preferindo um determinado legisperito, em vez dos demais.

A marca pessoal, por sua vez, é o conjunto de características que tornam o profissional único no mercado. São atributos de valor, que dão destaque ao lado positivo do profissional, seja em termos de prática jurídica, seja em termos de relacionamento.

- Advertisement -

Na advocacia, não exclusivamente a geração de uma marca pessoal, porquê também as estratégias de personal branding são essenciais. Mesmo com as restrições impostas pelo Código de Moral na divulgação da profissão, é verosímil trabalhar para que os seus valores e a sua imagem sejam uma referência, tornando você um destaque do mercado.

Criando a própria marca pessoal na advocacia

A geração de uma marca pessoal na advocacia passa necessariamente pela construção de uma imagem do profissional. Todos nós contamos com características únicas que chamam mais a atenção dos clientes. Assim, para gerar uma marca pessoal, o legisperito precisa investigar seus pontos fortes e fracos que se destacam tanto em sua personalidade, quanto nas suas habilidades técnicas.

Para edificar uma boa imagem, é principal saber as qualidades que mais te valorizam no mercado, muito porquê, é preciso mapear aqueles atributos que precisam ser melhorados ou trabalhados. Embora pareça simples, fazer essa auto estudo pode ser um caminho tortuoso.

Assim, uma boa pista é investigar a maneira porquê você ajuda o seu cliente. 

- Publicidade -

Muitas vezes a forma porquê o legisperito serve a sua clientela possui boas pistas sobre os seus diferenciais. A forma porquê você se coloca, porquê organiza a prestação dos seus serviços e porquê atende o cliente trazem uma série de subjetividades que tornam você um profissional dissemelhante. Por isso vale a pena investigar esse relacionamento e até perguntar para os clientes mais próximos qual é a visão deles sobre você.

Outra boa dica é procurar responder algumas perguntas que promovem reflexões acerca da forma porquê você atua e se relaciona com o mercado. Algumas delas são:

  • O que você pode fazer ou oferecer que poucos podem fazer?
  • O que seus colegas ou clientes não sabem sobre você?
  • Que experiência profissional ou pessoal você tem que outras pessoas não têm?
  • Você aborda seu trabalho de uma maneira dissemelhante ou mais eficiente?
  • Que habilidade você possui que poderia ajudar outro colega?

Responder a essas perguntas pode trazer mais transparência ao profissional, além de ajudá-lo a encontrar com mais facilidade seus pontos fortes e fracos.

Mostrando-se para o mercado

Também é segmento do processo de construção de uma marca pessoal mostrar-se para o mercado. No entanto, é justamente nesse ponto que muitos advogados acabam adotando estratégias equivocadas, que prejudicam a sua reputação.

A advocacia, conforme preconiza o próprio Código de Moral, é uma profissão marcada pela discrição. Assim, qualquer atitude com o simples objetivo de se promover ou promover o próprio escritório pode ir contra as regras éticas da profissão.

Embora hoje o legisperito conte com uma série de ferramentas para promover sua própria marca e seu escritório, é preciso ter cautela. Recentemente, uma orientação do TED OAB/MG divulgou o entendimento de que o uso do Tik Tok por advogados não é adequado, justamente por ir de encontro a discrição particularidade da profissão.

Mostrar-se para o mercado precisa estar atrelado ao teor informativo e uma postura sóbria, sem que isso vá de encontro aos preceitos do Código de Moral da OAB. A sobriedade e postura do legisperito, principalmente nas redes sociais, precisa ser muito trabalhada. Comentários e atitudes que saem dessa filosofia precisam ser avaliados e, de preferência, devem se restringir ao círculo pessoal. Não é para deixar de se expressar. Mas, opiniões de cunho pessoal ou que possam motivar controvérsias devem ter caráter privado para evitar qualquer tipo de mal-entendido.

Hoje, a construção de uma marca pessoal e ações estratégicas de personal branding vêm sendo adotadas por profissionais de diversas especialidades. Mas, para quem está começando e pretende seguir esse caminho, é preciso ter em mente que todo o processo é longo e bastante quebradiço. Para solidificar uma marca pessoal é preciso tempo e evitar todos os deslizes que podem colocar tudo a perder. Assim, recontar com um suporte especializado de profissionais que atuam diretamente com a marca pessoal do legisperito pode ser um diferencial.

Você tem uma marca pessoal na advocacia? Conheça mais sobre o Clubhouse para advogados e porquê a novidade rede social pode trazer benefícios para o profissional. 

*Cláusula escrito em co-autoria com Helga Lutzoff Bevilacqua

 

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments