Levantamento determina que o salário mínimo deveria ser R$ 6.535,40

Confira os dados da pesquisa realizada pelo Dieese.

Imagem: Lais Monteiro / Shutterstock.com 

Tempo estimado de leitura: 4 minutes

De acordo com um levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo no Brasil deveria ser de R$ 6.535,40. Atualmente, o valor pago aos trabalhadores brasileiros é de R$ 1.212,00.

A quantia, que o Dieese aponta como ideal, é quase 5 vezes maior que o salário mínimo atual. Para chegar ao valor, que ultrapassa os R$ 6 mil, foram levados em conta os gastos básicos, como alimentação, educação, saúde e moradia. 

O departamento realiza o levantamento mensalmente, desde 1994. No começo do ano, foi possível apontar que o salário mínimo ideal seria de R$ 5.997,14. Em abril, o valor chegou a R$ 6.754,33, sendo, até então, o mais alto já registrado.

Cesta básica mais barata equivale a 49% do valor do salário mínimo

Entre os itens pesquisados para o levantamento está o preço da cesta básica, que apresenta uma quantia bastante alta. O cálculo feito pelo Dieese aponta o valor mínimo para sustentar uma família com quatro membros em maio deste ano.

Segundo o departamento, a cesta básica mais em conta pode ser encontrada em Aracaju (SE) por R$ 548,38. Logo, o valor corresponde a cerca de 49% do salário mínimo atual, que fica comprometido somente com a compra dos itens básicos.

Já em São Paulo, o valor necessário para a compra essencial do mês é ainda mais assustador: R$ 803,99. Em Florianópolis, a quantia chega a R$ 788, seguido de Porto Alegre, onde são precisos R$ 780,86, e Rio de Janeiro, com R$ 768,42.

Poder de compra cada vez menor: inflação derruba o real e faz nota de R$ 100 valer apenas R$ 13

Em julho de 1994, quando o salário mínimo era de R$ 64,79, com apenas uma nota de R$ 100 se pagava uma pessoa e ainda sobrava troco. Hoje, a cédula vale somente R$ 13,43, quantia essa que em muitas regiões brasileiras não dá para comprar dois itens essenciais da cesta básica.

Basicamente, em julho de 1994 era necessário somente uma nota de R$ 100 para realizar o pagamento de um empregado. Atualmente, são necessárias 12 cédulas no valor de R$ 100 e mais R$ 12 para fechar a conta. 

O matemático financeiro José Dutra Vieira Sobrinho, que realizou um cálculo exclusivo para uma coluna do R7, pode apontar que a inflação de 1° de julho de 1994 a 1° de maio deste ano foi de 644,55%. 

Para o consumidor que quer adquirir a mesma quantidade de serviços e mercadorias que com R$ 100 era possível comprar em 1994, é necessário que ele desembolse R$ 744,55.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o Facebook, Twitter, Twitch e Instagram. Assim, você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: Lais Monteiro / Shutterstock.com