Jurista pede ao STF legalização da cocaína para tratamento da covid

-

- Publicidade -

O jurisconsulto Alcio Luiz Pessoa acionou o Supremo Tribunal Federalista (STF) pedindo a legalização da cocaína para tratamento da covid-19. Além do mais, também requereu o uso da maconha para o tratamento da doença que, segundo ele, possuem efeitos benéficos contra o vírus.

Cocaína para tratamento

Alcio defende a liberação, alegando que as drogas são artesanais, sendo que também pede que todas as condenações proferidas por tráfico de cocaína ou de maconha sejam anuladas. E ainda continua, requerendo que a cocaína seja “transformada em gás proveniente”.

O jurisconsulto é registrado na seccional do Acre da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AC) e representa, na petição, a Escola de Humanismo Científico, com sede também em Manaus (AM).

Ele traz elementos históricos para embasar seu pedido, mostrando que o ‘epadu’ que é uma mistura da maconha com a pasta de coca, também chamado de ‘fundamentado’, já era sabido pelos colonizadores da Amazônia e dos Andes. O negócio dos índios amazônicos com os andinos era feito na base do escambo. Esse prática dos índios e caboclos da Amazônia, lhes dava um grande vigor físico, para enfrentarem as intempéries, os mosquitos da malária, o carapanã, a mutuca, o pium e o meruin.

- Publicidade -

Afirmando que a covid-19 é uma fraude dos laboratórios de química inorgânica contra a química proveniente, o jurisconsulto defende que a maconha e a cocaína são vegetais que pertencem à nossa biodiversidade e que não produzem drogas, por isso, “Essas culturas que dizem ser drogas não tem [sic] correspondência científica com a química inorgânica dos laboratórios”.

Quanto à transformação da pedra de cocaína em gás proveniente, ele sustenta que o gás seja injetado no corpo de quem desenvolveu a covid-19, uma vez que neutralizará os núcleos dos gases nocivos presentes neles, onde encontram-se os nêutrons e prótons, para os nêutrons anestesiar os prótons onde está o vírus.

Conclui dizendo que os vírus ficarão anestesiados e morrerão, finalizando o argumento apontando que diante dessa explicação, que é científica das leis naturais da física e da química espacial, a pandemia não é uma crise sanitária epidemiológica. Ela é uma crise ambiental ecológica.

- Advertisement -

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Ducto Ciências Criminais

Leia mais:

Entenda porquê identificar uma prisão proibido e porquê agir diante disso


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Ducto Ciências Criminais?

- Publicidade -

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

 

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments