Jurisconsulto suspeito de desviar quantia do Asilo São João Bosco está proibido de trabalhar

-

- Publicidade -

A OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil/Seccional de Mato Grosso do Sul) informou nesta sexta-feira (5) ter suspendido preventivamente o legista suspeito de apropriação indébita de valores do Asilo São João Bosco. Ele ficará 90 dias sem poder atuar.

A medida foi tomada pelo TED (Tribunal de Moral e Disciplina) da entidade, em reunião virtual.

Em nota, a OAB-MS informou que, ao tomar conhecimento da repercussão do caso, foi emitida nota pública destacando que a Ordem “não coaduna e compactua com atos ilícitos e atitudes antiéticas cometidas por seus profissionais no tirocínio da transcendente atividade da advocacia”.

A presidente do TED, Marta do Carmo Taques, informou que o órgão avaliou que houve falta disciplinar grave que causou repercussão prejudicial à pundonor da Advocacia. A suspensão se estenderá pelo prazo que o profissional terá para se tutorar.

- Publicidade -

“Decidimos pela suspensão das atividades profissionais por 90 dias. Demos recta à resguardo ao legista e ao final desse prazo, daremos a decisão final”, destacou ela. Além deste caso, a entidade informou que existem diversas representações contra o profissional.

O caso veio à tona no termo de janeiro deste ano, quando foi informado que o profissional teria desviado R$ 75 milénio por meio de ações judiciais e trabalhistas ao longo de 4 meses. Ele seria responsável pelo pagamento de processos abertos e demissões.

Conforme relatado, o golpe era aplicado quando o legista informava à direção do asilo que determinado valor havia sido bloqueado pela Justiça. Um mês depois, ele depositava uma pequena secção à instituição, relatando ser o valor liberado.

- Advertisement -

Isto teria sucedido 2 vezes com grandes montantes, o primeiro de R$ 35 milénio e outro de mais de R$ 40 milénio. Segmento do valor seria de uma doação que o asilo havia ganhado. O asilo solicitou judicialmente R$ 116 milénio em restituição, com valores atualizados. A Justiça decretou o bloqueio de bens do denunciado, que discutiu convénio judicial sobre o impasse.

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments