Julgamento do policial indiciado da morte de George Floyd começará na segunda

-

- Publicidade -

Nove meses depois da morte de George Floyd lançar uma novidade luz sobre a questão racial nos Estados Unidos, o julgamento contra o policial branco indiciado de assassiná-lo começa nesta segunda-feira.

A seleção do júri começa segunda-feira em Minneapolis no caso contra Derek Chauvin, um ex-agente do Departamento de Polícia de Minnesota (MPD), que foi filmado pressionando o seu joelho no pescoço de Floyd por quase nove minutos enquanto o afroamericano estagnado, que estava algemado, lutava para respirar.

As imagens chocantes da morte de Floyd, de 46 anos, em 25 de maio, geraram a vaga de protestos “Black Lives Matter” contra a brutalidade policial e a injustiça racial nos Estados Unidos e em capitais ao volta do mundo.

O caso de Chauvin promete ser inédito em muitos aspectos: contará com advogados famosos, será realizado sob potente segurança e será transmitido ao vivo.

- Publicidade -

O escritório do Procurador-Universal do Estado de Minnesota convocou Neal Katyal, um ex-procurador-geral interino que argumentou perante o Supremo Tribunal, para ajudar com a arguição.

Katyal descreveu o julgamento de Chauvin uma vez que um “caso criminal histórico, um dos mais importantes da história” dos Estados Unidos.

Ashley Heiberger, ex-policial que agora trabalha uma vez que consultora sobre as práticas policiais, afirmou que “o veste de um policial ter sido indiciado criminalmente de uso imperdoável da força é, em si mesmo, uma exceção”.

- Advertisement -

“É ainda mais vasqueiro que eles sejam condenados”, acrescentou.

“Há uma tendência do júri querer dar ao policial o mercê da incerteza”, ressalta.

No entanto, as circunstâncias que rodearam o caso Chauvin, de 44 anos, são tão preocupantes que “nenhuma polícia ou organização policial saiu para tutorar seu ato”, explica.

Três outros oficiais envolvidos na prisão de Floyd, Alexander Kueng, Thomas Lane e Tou Thao, enfrentam acusações menores e serão julgados de forma separada.

- Publicidade -

Todos os quatro envolvidos no caso foram demitidos pelo Departamento de Polícia de Minneapolis.

– “Exatamente para o que fui treinado” –

Chauvin, que atuava há 19 anos na polícia, foi libertado sob fiança no outono e deve se declarar puro das acusações de homicídio e homicídio culposo.

“Ele agiu de convenção com a política do MPD, seu treinamento e seus deveres uma vez que solene licenciado do estado de Minnesota”, afirmou seu jurisconsulto, Eric Nelson.

“Ele fez exatamente o que foi treinado para fazer”, acrescentou.

De convenção com Nelson, Floyd morreu de overdose de fentanil. Uma necropsia encontrou vestígios da droga no corpo de Floyd, mas especificou que a motivo da morte foi “compressão do pescoço”.

Ben Crump, jurisconsulto que representa a família Floyd, declarou no sábado que espera que a equipe de resguardo questione sobre o caráter do afroamericano.

“Eles vão tentar fazer as pessoas esquecerem o que vêem no vídeo”, afirmou.

Será necessária uma decisão unânime de todos os 12 jurados para colocar Chauvin detrás das grades.

Se o policial não for sentenciado, é provável que haja uma novidade vaga de manifestações contra o racismo.

As autoridades mobilizaram milhares de policiais e membros da Guarda Vernáculo para facilitar na segurança durante o julgamento.

O tribunal do condado de Hennepin, onde ocorrerá o julgamento, já parece um campo armado, rodeado por barreiras de concreto e cercas de arame farpado.

O julgamento terá início na segunda-feira às 8h lugar (14h GMT) com a escolha do júri, um processo quebradiço considerando a ampla publicidade em torno do caso.

Os jurados em potencial receberam um questionário de 15 páginas.

“Quão favorável ou desfavorável você é sobre Black Lives Matter?”, é uma das perguntas.

“Você já viu um vídeo da morte de George Floyd? Se sim, quantas vezes?” ou “Você, ou alguém próximo a você, participou de alguma das manifestações ou passeatas contra a brutalidade policial?”, também aparecem no questionário.

Os promotores devem apresentar o prova de uma mulher negra que afirma que Chauvin usou força excessiva contra ela em 2017, e também que o jovem que filmou a morte de Floyd seja chamada a depor.

Não se espera uma decisão antes do final de abril.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre em seguida queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus “o besouro indestrutível”
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida gratuito e vai presa
+ Zona Azul do dedo em SP muda dia 16; veja uma vez que fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Eructar muito pode ser qualquer problema de saúde?
+ Tubarão é tomado no MA com sobras de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Invenção oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments