Juiz manda advogados comprovarem restituição de R$ 1 milhão em convenção de delação | VGN

VG Notícias

 Advogados são réus em ação por participação em suposto esquema do ex-governador Silval Barbosa 

 

 

O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Social Pública e Ação Popular, concedeu prazo de 15 dias para que os advogados Alex Tocantins Matos e Kleber Tocantins Matos, comprovem a restituição de R$ 1 milhão jacente no convenção de delação premiada firmado com o Ministério Público Federalista (MPF).  

Os advogados são réus em uma ação da Operação Ararath por participação de suposto esquema de desvios de verbas públicas para quitar dívidas oriundas da campanha política do ex-governador Silval Barbosa. Alex e Kleber firmaram convenção de colaboração premiada na Justiça Federalista, onde o caso também é investigado.

Leia Também – Mãe de Daniel Silveira envia missiva ao Supremo pedindo desculpa pelo fruto; “Gostaria de tê-lo perto de mim”

Na delação, eles se comprometeram a remunerar R$ 1 milhão em indenização aos cofres públicos pelos prejuízos causados, além de terem entregado alguns veículos de luxo, porquê uma caminhonete L200 e uma BMW 320i.

Em despacho realizado na última quarta-feira (14.07), o juiz Bruno D’Oliveira apontou que os documentos apresentados pelos advogados não são suficientes para provar o integral preenchimento do valor da colaboração premiada.

Segundo o magistrado, eles teriam apresentados matrículas e guias de repositório judicial, sem comprovante de pagamento ou efetivação da transferência de valores.

“Ou por outra, conforme constou na decisão datada de 12.05.2021, da 5ª Vara da Justiça Federalista, acostada às fls. 3405 dos autos materializados, competiria ao Ministério Público Federalista apresentar o cômputo atualizado do valor devido pelo requerido/colaborador Alex Tocantins Matos”, diz trecho do despacho.

Diante disso, o juiz intimou Alex Tocantins Matos e Kleber Tocantins Matos para que, no prazo de 15 dias, tragam aos autos os cálculos do valor atualizado e os comprovantes de pagamento das guias de repositório judicial.