Homem condenado à morte no Texas pede adiamento da execução para poder doar rim

HOUSTON – Um preso do Texas, nos Estados Unidos, que deveria ser condenado à morte em um pouco mais de uma semana pediu que sua execução seja adiada para que ele possa doar um rim.

Ramiro Gonzales está programado para receber uma injeção letal em 13 de julho por matar a tiros Bridget Townsend, na época com 18 anos, uma mulher do sudoeste do Texas cujos restos mortais foram encontrados quase dois anos depois que ela desapareceu em 2001.

Em uma carta enviada na última quarta-feira, 29, os advogados de Gonzales, Thea Posel e Raoul Schonemann, pediram ao governador republicano Greg Abbott que conceda uma suspensão de 30 dias para que o preso possa ser considerado um doador vivo “para alguém que precisa urgentemente de um transplante de rim”.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Imagem fornecida pelo Departamento de Justiça Criminal do Texas mostra o prisioneiro Ramiro Gonzales, que deve ser condenado à morte em menos de duas semanas. Gonzales pediu que sua execução seja adiada temporariamente para que ele possa doar um rim Foto: Departamento de Justiça Criminal do Texas via AP

Seus advogados fizeram um pedido separado ao Conselho de Indultos e Liberdade Condicional do Texas para uma suspensão de 180 dias relacionada à doação de rim.

Em seu pedido a Abbott, os advogados de Gonzales incluíram uma carta do Cantor Michael Zoosman, um clérigo judeu ordenado de Maryland que tem se correspondido com Gonzales.

“Não tenho dúvidas de que o desejo de Ramiro de ser um doador de rim altruísta não é motivado por uma tentativa de última hora de impedir ou atrasar sua execução. Eu irei para o meu túmulo acreditando em meu coração que isso é algo que Ramiro quer fazer para ajudar a acertar sua alma com seu Deus”, escreveu Zoosman.

Os advogados disseram que ele foi apontado como um “excelente candidato” para doação depois de ser avaliado pela equipe de transplante da Universidade do Texas Medical Branch (UTMB) em Galveston. A avaliação descobriu que Gonzales tem um tipo sanguíneo raro, o que significa que sua doação pode beneficiar alguém que possa ter dificuldade em encontrar uma correspondência.

“Resta praticamente a cirurgia para retirar o rim de Ramiro. A UTMB confirmou que o procedimento pode ser concluído em um mês”, escreveram Posel e Schonemann à Abbott.

As políticas do Departamento de Justiça Criminal do Texas permitem que os presos façam doações de órgãos e tecidos. A porta-voz da agência, Amanda Hernandez, disse que Gonzales foi considerado inelegível depois de fazer um pedido para ser doador no início deste ano. Ela não deu uma razão, mas os advogados de Gonzales disseram em sua carta que a agência se opôs por causa da data de execução pendente.

O escritório de Abbott não respondeu imediatamente a um e-mail pedindo comentários.

O Conselho de Indultos e Liberdade Condicional do Texas deve votar em 11 de julho o pedido de Gonzales. Os advogados fizeram um pedido separado pedindo ao conselho para comutar sua sentença de morte para uma pena menor.

Eles também pediram que sua execução não continuasse se seu conselheiro espiritual não pudesse segurar sua mão e colocar a outra mão em seu coração durante sua execução. Um julgamento federal de dois dias sobre esse pedido foi marcado para começar nesta terça-feira, 5, em Houston.

O pedido de Gonzales para adiar sua execução por uma doação de órgãos é raro entre os presos no corredor da morte nos EUA, disse na sexta-feira Robert Dunham, diretor executivo do Centro de Informações sobre Pena de Morte.

Em 1995, o assassino condenado Steven Shelton em Delaware doou um rim para sua mãe.

Em 2013, a execução de Ronald Phillips em Ohio foi adiada para que seu pedido de doação de um rim para sua mãe pudesse ser revisto. O pedido de Phillips foi posteriormente negado e ele foi executado em 2017.

“Os céticos pensarão que isso é simplesmente uma tentativa de atrasar a execução. Mas se fosse esse o caso, acho que haveria muitos pedidos”, disse Dunham, cujo grupo não se posiciona sobre a pena capital, mas criticou a forma como os estados realizam execuções. “A história das execuções nos Estados Unidos mostra que as pessoas não fazem ofertas de doação de órgãos com o objetivo de adiar uma execução que ainda ocorrerá.”

Em um relatório, a United Network for Organ Sharing, uma organização sem fins lucrativos que atua como sistema de transplante do país sob contrato com o governo federal, listou várias preocupações éticas sobre doações de órgãos de prisioneiros condenados. Eles incluem se tais doações podem estar vinculadas a prisioneiros que recebem tratamento preferencial ou se tais órgãos podem ser moralmente comprometidos por causa de seus vínculos com a pena de morte.