Gasoduto em Uberaba: empresa é contratada para atualizar os levantamentos – Jornal da Manhã

Ressurge a esperança de Uberaba ter viabilizado o sonhado gasoduto. Proprietários de terras no município já estão sendo consultados para permitir a entrada de técnicos em suas áreas para a atualização de estudos do traçado e prospecção geológica.

Cautela
Um deles procurou o advogado Paulo Salge, ex-procurador-geral do município, preocupado com questões relativas à preservação do direito de propriedade, interesses público e autorização para o trabalho dos técnicos.

É possível
Diz o advogado que foram equacionados todos os pontos, ficou deliberado inicialmente a possibilidade da permissão. Com a ressalva de a empresa apresentar antes as especificações ou detalhamento dos levantamentos a serem feitos.

Contratada
Para a produção dos levantamentos destinados a dar sequência ao processo de licenciamento ambiental junto ao IBAMA, a Transportadora de Gás Brasil Central contratou a Biodinâmica Rio Engenharia e Meio Ambiente. A TGBC é a empreendedora do Gasoduto Brasil Central.

Traçado
O traçado do projetado gasoduto de 904 km inclui cidades como Orlândia, São Joaquim da Barra, Aramina e Igarapava, em São Paulo, Uberaba, Uberlândia, Tupaciguara e Araporã, em Minas, Itumbiara, Morrinhos, Piracanjuba e Abadiânia, em Goiás, e ainda o DF.

Entre as vítimas
Entre as pessoas atingidas por líquido despejado de um trone sobre simpatizantes de Lula, 4ª feira, em Uberlândia, está Aparecida Lacerda, irmã de Gildo Macedo Lacerda, o ituiutabano que morou em Uberaba e anos depois foi morto pelo Doi-Codi, no Recife.

 

Gildo, morto aos 24 anos de idade

Memória
Gildo é o nome mais citado no Triângulo Mineiro quando se fala da resistência ao golpe de 1964. Vice-presidente da UNE e integrante da Ação Popular, Gildo foi capturado pelo Exército em 22 de outubro de 73 e morto sob tortura seis dias depois, aos 24 anos de idade.

Trajetória
Em Uberaba, Gildo estudou nos Colégios Triângulo e “Zé Ferreira”, onde fundou grêmio estudantil. Foi membro ativo da União da Mocidade Espírita, orador da Mocidade Espírita Batuíra e integrante da União Estudantil Uberabense.

Expulsão
Daqui, Gildo mudou-se em 1968 para BH para cursar Economia na UFMG, sendo expulso no ano seguinte por sua militância. Morando depois em Salvador, ele se casou. Com a esposa e outros companheiros foi preso em 1973. A mulher estava grávida de uma filha que Gildo não chegou a conhecer.

Entre outros
No episódio da semana passada em Uberlândia, além de Aparecida Lacerda também foram atingidos, dentre outros, o sindicalista Timóteo de Souza, a dentista Viviane Bartoneli, Lauro Guimarães e a ex-secretária de Saúde Tetê Prais.

Ações
O advogado José Carlos Cunha Muniz, coordenador do Movimento Advogue pela Democracia, oferece assistência jurídica gratuita a todas as pessoas que estiveram no evento. Inicialmente, aconselha que registrem o caso em Reds. Mesmo aqueles que tiveram de apenas suportar o mal cheiro que ficou no local.

Comitê
À coluna, o advogado detalhou que um comitê de advogados decidirá que denúncias coletivas serão levadas ao Ministério Público Estadual e Federal e as ações a serem impetradas.Gildo, morto aos 24 anos de idade.

Memória
Gildo é o nome mais citado no Triângulo Mineiro quando se fala da resistência ao golpe de 1964. Vice-presidente da UNE e integrante da Ação Popular, Gildo foi capturado pelo Exército em 22 de outubro de 73 e morto sob tortura seis dias depois, aos 24 anos de idade.

Trajetória
Em Uberaba, Gildo estudou nos Colégios Triângulo e “Zé Ferreira”, onde fundou grêmio estudantil. Foi membro ativo da União da Mocidade Espírita, orador da Mocidade Espírita Batuíra e integrante da União Estudantil Uberabense.

Expulsão
Daqui, Gildo mudou-se em 1968 para BH para cursar Economia na UFMG, sendo expulso no ano seguinte por sua militância. Morando depois em Salvador, ele se casou. Com a esposa e outros companheiros foi preso em 1973. A mulher estava grávida de uma filha que Gildo não chegou a conhecer.