Ex-detento que se dizia jurisconsulto é suspeito de liderar alvarás falsos

-

- Publicidade -

Arlésio Luiz Pereira Santos, de 56 anos, que se dizia jurisconsulto, foi recluso novamente na última terça-feira (09/03), suspeito de ser o mentor e responsável pela falsificação de diversos alvarás de solturas no Rio de Janeiro (RJ). O varão já havia sido sentenciado por estelionato e formação de quadrilha.

Ex-detento que se dizia jurisconsulto

Enquanto esteve recluso por uma pena de mais de 13 (treze) anos de reclusão, Arlésio realizava trabalhos administrativos no estabelecimento prisional. Durante as funções, a polícia afirmou que é provável que o rapaz tenha identificado fragilidades no sistema que registra os alvarás.

Ele já havia sido recluso de maio de 2017 até dezembro de 2019, momento em que foi beneficiado com a custódia em albergue; já em setembro de 2020, foi facultado a Arlésio o livramento condicional.

O investigado foi defendido pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro até dezembro de 2019. No entanto, em maio de 2020, a advogada Débora Albernaz de Souza passou a conceber sua resguardo. A advogada, por sua vez, também foi presa nesta terça-feira (09/03), pela suspeita de ser integrante da quadrilha comandada por Arlésio. Além de Débora, a polícia também efetuou a prisão da advogada Angélica Coutinho Rodrigues Malaquias.

- Publicidade -

As investigações caminham para identificar uma vez que Arlésio conheceu as advogadas, muito uma vez que qual era a função de cada um na quadrilha. Da mesma forma, deve-se apurar se o rapaz usava uma carteira falsa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Província Federalista.

Em uma das solturas realizada por meio de um alvará falso, o recluso João Victor Silva Roza teve Arlésio uma vez que jurisconsulto habilitado em 26 de julho de 2020, juntamente com Débora Albernaz. No instrumento procuratório, consta para Arlésio um número de registro da OAB inexistente.

O gestor da Penitenciária do Rio de Janeiro, Raphael Montenegro, disse que é difícil declarar se outros presos saíram usando alvarás falsos.

- Advertisement -

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Meio Ciências Criminais

Leia mais:

Entenda uma vez que identificar uma prisão ilícito e uma vez que agir diante disso


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Meio Ciências Criminais?

- Publicidade -

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments