DJ Ivis: Legista fala sobre frieza de motorista em vídeo de agressão, e entra em incoerência; assista

No último domingo (11), vídeos de Iverson de Souza Araújo, mais sabido uma vez que DJ Ivis, agredindo a ex-esposa, Pamella Holanda, vieram à tona e chocaram o país. Em um dos registros, outro varão aparece, e não faz zero diante da cena, o que deixou muita gente ainda mais indignada. Trata-se de Charles Barbosa de Oliveira, que trabalha uma vez que motorista do músico.

De contrato com o jornal Brasil Urgente, da Band, o funcionário confirmou as agressões em testemunho prestado à polícia nessa terça (13). Antes de deixar a delegacia, o jurisconsulto da testemunha afirmou que Oliveira não tentou impedir os ataques de Ivis por ter ficado surpreso com a situação. “Charles ficou completamente sem reação, primeira vez que ele tinha presenciado uma situação dessa natureza”, declarou. Entretanto, áudios obtidos por Leo Dias, do jornal Metrópoles, na segunda-feira (12), apontam o contrário.

Continua depois da Publicidade

As agressões não seriam novidade para Charles, que nos registros de voz comentou brevemente sobre dois outros casos envolvendo Ivis e Pamella, ocorridos entre janeiro e fevereiro deste ano. “Uma coisa que eu digo a você sem temor de errar… Se não fosse primeiramente Deus e eu, de fevereiro para cá alguém já tinha morrido“, afirmou o motorista. Assista:

Ainda nas mensagens, Oliveira relatou o uso de um tesoura por secção do DJ em uma das brigas com Holanda e disse ter impedido consequências mais severas: “Agora é fácil indicar, falar que eu nunca fiz zero e fui omisso. E das vezes que eu me meti? E tesoura que eu tomei? E faca que eu tomei? E objeto que eu não deixei jogarem um no outro?”. A resguardo de Charles – que é a mesma de Ivis – deu respostas confusas e não confirmou a história. “O DJ nunca esteve com uma tesoura no sentido de agredi-la. Isso aí não existe”, finalizou.

Confira as declarações de Charles na íntegra:

Relembre o caso

No domingo (11), o nome do DJ Ivis ficou entre os assuntos mais comentados da internet, em seguida vir à tona vídeos dele agredindo violentamente sua esposa, Pamella Gomes de Holanda, na frente da filha deles, Mel, um bebê de somente nove meses. De contrato com informações do jornalista Leo Dias, do jornal Metrópoles, as gravações foram feitas no dia 1º de julho. No dia seguinte, ele teria repetido a agressão, em seguida ameaçá-la com uma faca e, durante o embate físico, ter quebrado o telefone da mulher.

Ainda segundo os relatos divulgados por Dias, Pamella só conseguiu invocar a polícia com a ajuda do director de segurança do condomínio em que ela e o DJ moram, na Grande Fortaleza. Os dois foram encaminhados à delegacia metropolitana de Eusébio, no Ceará. Enquanto Ivis recebeu pedestal de sua equipe de advogados, Pamella permaneceu no lugar sozinha. Com temor de alguma retaliação, ela foi embora sem fazer o examinação de corpo de delito e terminar seu testemunho.

[Atenção! Imagens fortes!]

As informações ainda constam que os oficiais foram detrás de Holanda, e ela confessou estar com temor de ser agredida mais uma vez, solicitou que eles somente retirassem Ivis de vivenda e o impedissem de chegar perto dela – pedido que foi atendido pela equipe policial. No dia seguinte, Pamella entrou em contato com a polícia — agora com o pedestal necessário numa situação delicada uma vez que essa —, pois desejava fazer os trâmites que pudessem dar prisão ao marido. Mas, apesar da realização dos procedimentos, a denúncia contra DJ Ivis já não se configurava uma vez que flagrante.

Em seguida o incidente no dia 4 de julho, a Justiça do Ceará emitiu uma medida protetiva em caráter de urgência à obséquio de Pamella e de sua filha, Mel, de somente nove meses. Instruído por seus advogados, Ivis retirou todos os seus pertences de vivenda, inclusive todo o moeda guardado, deixando a mulher sem recursos financeiros – somente com R$ 8 na conta e sem telefone celular. As informações divulgadas pelo jornal Metrópoles foram confirmadas por Pamella Holanda e pessoas próximas à família, que revelaram, ainda, que esse não foi o primeiro ataque à jovem.

[Atenção! Imagens fortes!]