Caarj e OABRJ lançam campanha ‘Advocacia sem machismo’

Um plenário Evandro Lins e Silva absolutamente lotado foi palco do lançamento da campanha “Advocacia sem machismo”, promovida pela Caixa de Assistência da Advocacia do Rio de Janeiro (Caarj) , na noite de terça-feira, dia 20. O evento, que teve como mestre de cerimônias a vice-presidente da OAB Mulher e diretora-executiva da Caarj, Priscila Nunes, também serviu à posse dos 150 delegados da Caixa de Assistência, que representaram as várias subseções da Ordem espalhadas pelo estado.

“Essa cadeira é de todos vocês, e eu estou presidente da Caarj para toda a advocacia, mas todos sabem que minha trajetória foi toda construída sobre a pauta feminina, que é um tema muito caro para mim e para todos nós”, afirmou a presidente da Caarj, Marisa Gaudio, que comandou o evento.

“Com a posse dos delegados hoje, pretendemos aprofundar essa relação com vocês e levar os serviços da Caixa às subseções. Resolvemos lançar a campanha ‘Advocacia sem machismo’ pela Caarj por entender que se trata de um tema de bem estar e saúde mental dos advogados, mas sempre mantendo nossa parceria com a OABRJ.

“A ponta do iceberg pode ser a violência que acontece nas instituições e nos tribunais, mas, antes disso, o que não vemos é esse machismo estrutural que está na sociedade. Por isso, optamos por uma campanha que comece no início, gere reflexões e crie um ambiente mais saudável para a advocacia”.

Compuseram a mesa inicial o presidente da OABRJ, Luciano Bandeira;  a vice-presidente, Ana Tereza Basilio; o diretor-tesoureiro da Seccional, Marcello Oliveira; a secretária-adjunta da OABRJ, Mônica Alexandre, e o presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da Seccional, Carlos Alberto Direito Filho.

“As subseções são a espinha dorsal e sei disso por ter sido presidente de subseção. Nenhum advogado bate aqui na Marechal Câmara para falar dos problemas do seu fórum. Ele vai ao seu presidente e à sua subseção, e são esses advogados que vivem os dramas diários da advocacia e, portanto, precisam do apoio e do suporte da Seccional. Essa é nossa missão, fortalecer as subseções para que elas possam desempenhar, na ponta, junto aos advogados e advogadas, as demandas necessárias para que tenhamos uma advocacia mais forte, mais altiva e com representação efetiva em todos os locais, seja nos tribunais, seja nas câmaras de vereadores, na Assembleia Legislativa, em todos os aspectos da vida da advocacia e da cidadania de nosso estado”, afirmou Luciano. 

“É preciso dizer a todos que o machismo não é algo aceitável. A Ordem dos Advogados é a primeira instituição do país a ter a paridade de gênero na sua estrutura, e isso é um passo importante, mas essa paridade não surge de uma hora para outra. Essa igualdade é um trabalho que deve ser desenvolvido todos os dias, e essa campanha é mais um tijolo que colocamos nessa construção”

A vice-presidente, Ana Tereza Basilio destacou a falta de representatividade feminina na política nacional e as obras da artista Isabella Francisco, expostas do lado de fora do plenário na sede da Seccional, que retratam o problema da violência contra a mulher no Brasil.

“Essa é uma campanha destinada não somente aos homens, mas também às mulheres, que precisamos combater o machismo entre nós também”, afirmou Ana Tereza.

“Muitos homens são parceiros, trabalhando conosco e nos auxiliando. Mas somos 53% dos eleitores do Brasil e 51% dos advogados inscritos no Rio de Janeiro. Ou seja, somos a maioria. Então, precisamos de união, precisamos de compreensão, e precisamos apoiar mulheres, não apenas dentro da nossa instituição. O exemplo dado pela OABRJ deve ser replicado, trabalhando o respeito profissional e o apoio entre as mulheres. Só alcançaremos a efetiva paridade quando tivermos muitas e muitas mulheres em espaços de poder, não apenas uma ou outra.  Só temos 15% de mulheres no Congresso Nacional, e na Alerj não é diferente. Na iniciativa privada é pior ainda. Só temos 12% de mulheres integrantes de conselhos de administração de companhias com ações comercializadas na Bovespa. É importante destacar a exibição de quadros que têm como tema a violência contra a mulher, que veio de um evento no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. A violência contra a mulher é uma chaga da sociedade que merece toda a nossa atenção, e temos todos muito orgulho de termos a Caarj e de integrarmos a OABRJ”.

Marcello Oliveira celebrou o trabalho de Marisa à frente da Caarj e cobrou da advocacia fluminense uma atuação mais intensa no combate ao machismo.

“Temos um auditório repleto pela importância que a Caarj tem no nosso sistema e pela necessidade de apoiar uma campanha como essa”, afirmou Marcello.

“A Caixa é uma entidade que produz transformações verdadeiras na vida das pessoas e que salva vidas. A Caixa passou por muitas transformações ao longo dos anos, mas sem nunca perder seu caráter humano. Enquanto nós cuidamos de questões profissionais da advocacia e da relação com os poderes, a Caarj cuida do ser humano. E Marisa é a pessoa perfeita no momento perfeito para impulsionar a Caixa e trazer esperança a uma advocacia que tem orgulho de ser feminina. Mas precisamos tocar na ferida. ‘Advocacia sem machismo’ é uma frase muito legal, mas precisamos ir aos locais em que o machismo é praticado, ir aos escritórios de advocacia para entender por que jovens advogadas não são contratadas, ir ao Judiciário para entender por que muitas vezes a mulher é colocada numa posição subalterna. É preciso entender isso nos detalhes, contestar esse cenário e derrubá-lo”.

Além das falas da diretoria e da exposição de arte, o lançamento da campanha contou ainda com uma instalação da Caarj na qual enfermeiras realizaram trabalho de aferição de pressão e glicemia, além de oximetria de pulso e análise de frequência cardíaca. No plenário, Carlos Alberto Direito Filho falou sobre a necessidade dos homens de serem aliados das mulheres no combate ao machismo.

“Vim como admirador, já que só fui participar da administração da OABRJ nessa gestão, embora deva dizer que se trate de um trabalho que eu admiro cada vez mais”, afirmou o presidente do TED. “Eu não poderia ficar de fora de uma campanha de combate ao machismo. Anos atrás, ouvi uma frase que mudou completamente a minha vida. Só há dois tipos de homens. Os que estão em desconstrução, nos quais eu me incluo, e aqueles que estão em decomposição, e que não têm jeito. Espero que todos os homens que estão aqui hoje ao lado destas mulheres maravilhosas tenham noção disso. Temos que nos desconstruir, com autenticidade e honestidade para então construir uma advocacia sem machismo. Será essa a parceria que construiremos ao lado de nossas colegas advogadas”.

Além de Marisa, compuseram a segunda mesa do evento a presidente da OAB Mulher, Flávia Ribeiro; a subcorregedora-geral da OABRJ, Isabelle Faria; a ouvidora da Mulher da Seccional, Andreia Tinoco; a diretora cultural do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Leila Pose; o conselheiro seccional e presidente nacional da  Associação Nacional da Advocacia Criminal (Anacrim), James Walker; o conselheiro seccional e presidente da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (Abracrim), Thiago Minagé; o advogado da Seccional, Rafael Alves; a presidente da Comissão de Mentoria da OABRJ, Thaís Fontes; o presidente da Comissão de Políticas Criminais e Penitenciárias da OABRJ, Rodrigo Assef; a secretária-geral da OAB Mulher e coordenadora da campanha, Flávia Monteiro, e o vice-presidente da OAB/Bangu, Hugo Novais. 

Já a terceira mesa, que empossou os delegados, contou com as presenças da presidente e da diretora-executiva da Caarj, além da vice-presidente da Comissão de Juizados Especiais da OABRJ, Fernanda Mata. Foram entregues prêmios referentes à campanha Calor Humano, de assistência à população que vive em situação de vulnerabilidade, às subseções de Cambuci, Petrópolis e Itaboraí e os respectivos presidentes Fernanda Chaves, Marcelo Schaefer e Lauro de Mattos Júnior se juntaram à mesa. 

Secretária-adjunta da OABRJ, Mônica Alexandre também celebrou o lançamento da campanha.

“Não esperaria nada diferente da Marisa, que é uma mulher aguerrida, combativa e muito forte”, afirmou a secretária. “Lançar uma campanha como esta não é para qualquer um. Esta campanha é de suma importância, porque o machismo está em todos os lugares, mas, muitas vezes, os casos de machismo não são relatados. Tenho certeza de que Marisa, junto com os delegados da Caarj, saberá dar esse pontapé inicial e manter o pioneirismo da OABRJ e o caráter acolhedor da Caarj com essa campanha maravilhosa”.