Alep contrata jurisperito ligado a Gilmar Mendes para ação no STF

Ademar Traiano preside a Tertúlia pelo quarto procuração ininterrupto| Foto: Jonathan Campos / Registo Jornal do Povo POVO

A Tertúlia Legislativa do Paraná contratou, no último dia 6 de julho, o escritório de advocacia Ziliotto e Dominschek Sociedade de Advogados para defendê-la, no Supremo Tribunal Federalista (STF), em duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI) que questionam os dispositivos da legislação estadual que permitem a reeleição para a Mesa Executiva da Tertúlia Legislativa. O contrato tem valor fixo de R$ 120 milénio e duração até o trânsito em julgado das ações.

As principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

O escritório tem uma vez que sócio o jurisperito Cezar Eduardo Ziliotto, que foi diretor jurídico da Itaipu Binacional, entre 2011 e 2019, por indicação do ministro do STF Gilmar Mendes. Mendes, inclusive, é o relator dos dois processos no Supremo. As ações estão conclusas para o relator, mas ainda sem decisão.

Apesar de ter corpo jurídico próprio, a Tertúlia Legislativa justificou a contratação (com inexigibilidade de licitação) por tratar-se de escritório especializado para um caso específico. Segundo a Tertúlia, a escolha “se justifica em razão da inviabilidade de competição, uma vez que mencionado no termo de referência, na medida em que há a segurança que os seus profissionais possuem habilitação suficiente para atender os anseios da Governo Pública, os quais, aliás, serão os responsáveis diretos para a realização dos serviços elencados na proposta da empresa em título, tendo em vista a sua notória especialização, muito uma vez que a singularidade dos serviços prestados”.

Depois que o STF considerou inconstitucional a reeleição, na mesma legislatura, para a Câmara e o Senado, o diretório pátrio do PROS e a Procuradoria Universal da República moveram ações questionando as reeleições nas Assembleias Legislativas que mantêm o dispositivo em sua legislação. Ao todo, a PGR moveu 22 ações, contra leis de 22 estados. Os processos foram distribuídos a diferentes ministros do Supremo.

Enquanto o ministro Alexandre de Moraes já declarou inconstitucional e determinou a realização de novas eleições em três legislativos estaduais (Roraima, Maranhão e Mato Grosso), os demais ministros estudam, pela relevância do tema, unir todos os processos e pautar a discussão para o plenário da namoro, para que se crie uma súmula vinculante sobre o tópico.

Em revelação no processo, Cezar Ziliotto alega que a reeleição na Tertúlia do Paraná foi um processo jurídico perfeito, tendo ocorrido sob a legislação vigente no Paraná e anteriormente à decisão que considerou inconstitucional as reeleições para as Casas do Congresso Pátrio.