Advogados do ES querem redução de pena para internos de presídios considerados ‘desumanos’

Foto: Divulgação/ Internet

Advogados do Espírito Santo enviaram pedido ao Supremo Tribunal Federalista (STF) de um habeas corpus coletivo direcionado a presos que cumprem pena em presídios com condições consideradas inadequadas e desumanas. 

A ação foi elaborada diante da verdade de superlotação no sistema prisional capixaba e pede reformulação do tempo de pena. Assim, no pedido, é solicitado que um dia de cumprimento de pena, em presídios nessas condições, seja considerado equivalente a dois dias. 

Atualmente, o Espírito Santo tem 35 presídios e conta com 13.856 vagas. No entanto, segundo a secretaria de Estado da Justiça (Sejus), 22.630 pessoas estão no sistema prisional capixaba. São 8.774 pessoas presas, o equivalente a uma ocupação de 163% além da capacidade.

O pedido está sob estudo do ministro Gilmar Mendes. Caso seja ratificado, todos os presos terão recta ao favor, exceto àqueles detidos por crimes graves uma vez que violência sexual (estupro) e homicídios. 

“Não é um ‘libera universal’ uma vez que o siso generalidade poderia concluir pois não se trata de um habeas corpus liberatório. Queremos trabalhar para que o sistema penitenciário possa ser melhor ajustado. Temos consciência de que prender pessoas e mantê-las em condições precárias não resolve o problema”, indica o jurisperito criminalista e professor de Recta, Lucas Neto, que lidera a assinatura do habeas corpus coletivo com as advogadas Rosânia Soares, Rafhaela Magalhães e Stella Mergár.

Para o grupo, a função do Estado, além de infligir Justiça é fazê-la de forma restaurativa. “Não estamos questionando o fator punitivo. Quem cometeu um delito deve ser devidamente julgado e remunerar o que deve. Porém, a ressocialização dessa pessoa não pode ser perdida de vista e, nas condições atuais de superlotação, esse processo é muito difícil”, aponta.

Na estudo de Neto, a maioria dos presos no sistema penitenciário cumpre pena por motivos ligados a tráfico de drogas e roubo. “Excluindo os condenados por crimes graves (homicídios e crimes sexuais), essas pessoas, grande secção formada por pequenos traficantes, poderiam ter uma readequação no tempo de pena ou na forma uma vez que ela deve ser cumprida. Com toda a certeza, a superlotação acabaria e o Estado teria condições de seguir os processos e fazer plenamente o seu papel dentro do que se espera em prometer o retorno desta pessoa ao convívio da sociedade”, reforça.

Foto: Reprodução / Instagram
Lucas Neto, jurisperito criminalista, assina com outras três advogadas o habeas corpus coletivo

Ele aponta que com a pena sendo cumprida de forma mais rápida e consequente liberação de presos, o dispêndio também diminuiria. “Em 2020, o dispêndio de um recluso para os cofres públicos estava em R$ 53 por dia ou R$ 19.080 por ano. Com esse redirecionamento de pena, haveria um investimento maior em outras formas de seguir oriente interno uma vez que utilização de tornozeleiras eletrônicas. Não é zero contra o recta do Estado em punir, mas a obrigação do Estado em punir recta”, destaca o jurisperito. 

Não é zero contra o recta do Estado em punir mas a obrigação do Estado em punir recta – Lucas Neto, jurisperito criminalista

Os advogados se inspiraram num caso de um habeas corpus outorgado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a internos que cumpriam pena no Instituto Penal Plácido de Sá Roble, em Bangu, no Rio de Janeiro. O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Reynaldo Soares da Fonseca, concedeu habeas corpus para que seja exposto em duplo cada dia de prisão no instituto. 

A decisão se baseou em uma mandamento da Namoro Interamericana de Direitos Humanos (IDH), a partir de uma denúncia feita pela Defensoria Pública do Rio sobre a situação degradante do presídio. O Instituto tem capacidade para 1.700 presos, mas, segundo as denúncias da Defensoria Pública, abrigava até o duplo dessa quantidade.

Habeas corpus coletivo beneficiaria mais de 10 milénio presos no Espírito Santo

De concórdia com os dados fornecidos pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) sobre a população carcerária, se não forem considerados os apenados por homicídio e crimes sexuais (esses não foram informados pela pasta), o habeas corpus coletivo proposto pelos advogados de Guarapari poderia ser aplicado em 9.922 presos do sexo masculino e em 609 do sexo feminino. 

Os dados são do último mês de julho. O número ultrapassa o quantitativo de presos, além da capacidade apontada pela Sejus, porque uma mesma pessoa pode estar cumprindo pena por mais de um tipo de delito e pode figurar em mais de uma classificação. 

Foto: Reprodução Folha Vitória

Quantitativo de apenados por tipificação (julho/2021): 

Masculino:

1) Tráfico: 5.125 presos

2) Associação ao tráfico: 2.923 presos

3) Homicídio qualificado: 2.018 presos

4) Homicídio simples: 1.897 presos

5) Roubo simples: 1.874 presos.

Feminino:

1) Tráfico: 296 presas

2) Associação ao tráfico: 279 presas

3) Homicídio qualificado: 69 presas

4) Homicídio simples: 67 presas

5) Roubo com aumento de pena: 34 presas

Manadeira: Secretaria de Estado da Justiça (Sejus)

Secretaria de Justiça afirma que tem investido para melhoria do sistema prisional

A Secretaria de Estado da Justiça afirmou que está em uniforme investimento para melhorias da estrutura das penitenciárias. Por nota, informou que está investindo R$ 155 milhões em obras e equipamentos voltados ao sistema prisional capixaba.

Dentre as ações, está a construção de três unidades prisionais, com a início de mais milénio vagas. Uma delas será a Penitenciária Estadual de Vila Velha 6, no Multíplice de Xuri, com 800 vagas no regime fechado. 

As obras terão início neste segundo semestre, com prazo para epílogo de 12 meses. A pasta também realiza obras para inaugurar a Penitenciária de Regime Semiaberto em São Mateus, com 120 vagas, e a início de mais 80 vagas para o regime semiaberto na Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Cachoeiro de Itapemirim.

Além dessa ampliação, a Sejus disse que está investindo na Mediano de Alternativas Penais e na expansão do monitoramento eletrônico. Os investimentos incluem ainda projetos de manutenção e autossuficiência energética.

A pasta completa a nota dizendo que o sistema prisional capixaba figura entre os melhores do Brasil, sendo referência pela assistência básica de saúde. “O propagação da população carcerária no Espírito Santo encontra-se estabilizado, com propagação de 0,3% nos últimos dois anos. Entre 2015 e 2018, o propagação da população carcerária foi de 21,7%, sem aberturas de vagas no mesmo período”, finaliza.

Supremo Tribunal Federalista diz não ter prazo para estudo

O Supremo Tribunal Federalista foi procurado pelo Jornal On line Folha Vitória para informar se há um prazo de resposta do habeas corpus dos advogados de Guarapari. A informação é de que o pedido está sob estudo do ministro Gilmar Mendes e que, até o momento, não há previsão de quando sairá a decisão. 

Leia também: Presídios capixabas têm quase nove milénio presos a mais do que a capacidade permitida

superlotacao-nos-presidios
habeas-corpus-coletivo
gilmar-mendes
supremo-tribunal-federal