Advogados de Trump encerram lanço de resguardo e votação de impeachment no Senado pode intercorrer neste sábado | Mundo

-

- Publicidade -

A sessão está marcada para às 10 horas (12 horas em Brasília) e existe a previsão de que a votação para saber se Trump é ou não culpado aconteça às 15 horas (17 horas em Brasília), embora isso ainda possa ser desfigurado.

A resguardo de Donald Trump argumentou na audiência desta sexta que o ex-presidente dos Estados Unidos não incitou a violência e que unicamente se utilizou da mesma retórica que seus adversários políticos.

Aos senadores, o legisperito Michael van der Veen chamou o julgamento de impeachment contra o ex-presidente de “cultura do cancelamento constitucional”. Na mesma risca, Bruce Castor Jr. disse que o debate sobre as falas de Trump visa a “criminalizar os pontos de vista”.

“É uma tentativa de reprochar e ‘cancelar’ não só Trump, mas todos os milhões de eleitores que votaram nele”, disse o legisperito Michael van der Veen.

VÍDEO: entenda o julgamento de impeachment de Trump

- Publicidade -

1 min VÍDEO: entenda o julgamento de impeachment de Trump

VÍDEO: entenda o julgamento de impeachment de Trump

Trump é denunciado de incitar à violência no incidente que culminou com a invasão do Capitólio. Apesar de seu procuração já ter sido concluído, os senadores podem optar por retirar seus direitos políticos.

- Advertisement -

Cultura do cancelamento é o nome oferecido às reações negativas nas redes sociais contra posicionamentos polêmicos ou equivocados de celebridades ou outras personalidades conhecidas. Para algumas pessoas, essas reações representam uma forma de linchamento.

Trump é julgado no Senado por incitar a insurreição quando discursou a apoiadores em 6 de janeiro em frente à Vivenda Branca. Naquele momento, perto dali, os congressistas oficializavam a vitória de Joe Biden porquê novo presidente dos EUA, lanço unicamente formal. Logo posteriormente o término do exposição de Trump, uma turba de apoiadores extremistas do republicano invadiu o Capitólio e interrompeu a sessão. Cinco pessoas morreram.

O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa para apoiadores enquanto o Congresso se reúne para conferir a vitória de Biden — Foto: Evan Vucci/AP Photo

Na terça e na quarta-feira, deputados do Partido Democrata que atuam porquê promotores no processo de impeachment enfatizaram que Trump pediu, no exposição de 6 de janeiro, que apoiadores “lutassem porquê o diabo”.

- Publicidade -

A resguardo, logo, tentou rechaçar a visão e disse que os democratas também adotaram esse tipo de retórica durante a campanha contra o ex-presidente e em prol de Biden.

“É mera retórica política usada há tempos. O slogan de candidatura de Biden era: ‘Guerra pela Espírito da América'”, disse van der Veen.

Em seguida, os advogados de Trump mostraram vídeos com Biden e outras personalidades do Partido Democrata discursando com palavras porquê “luta” e “guerra”. “Estou mostrando isso para proferir que todos os discursos políticos devem ser protegidos. Não mostrei para lastrar com o exposição de meu cliente”, justificou van der Veen.

Parlamentar democrata Eric Swalwell, que atua porquê um dos promotores de delação, no 2° dia do julgamento do impeachment de Trump no Senado — Foto: U.S. Senate TV/Handout via Reuters

Os 100 senadores atuam porquê jurados, e mais de dois terços deles — ou seja, 67 dos senadores — precisam votar “sim” para que o republicano tenha o procuração cassado.

Porquê Trump já não é mais presidente desde 20 de janeiro, a cassação importaria aos democratas porque daria recta a uma novidade votação para retirar do ex-presidente o recta de se candidatar novamente à presidência em 2024 ou outros anos — o que também é o libido de segmento dos republicanos.

Entretanto, a tentativa não deve prosperar. O Senado americano é dividido também entre democratas e republicanos — o voto de minerva, que não será o caso nesta votação, fica a incumbência da vice-presidente Kamala Harris. Assim, seria preciso que 17 dos 50 senadores republicanos, no mínimo, topem improbar Trump.

Segmento do partido, descontente com o ex-presidente, admitiu concordar o impeachment, mas ainda em número insuficiente para improbar o magnata. Na última votação sobre a constitucionalidade do processo contra um presidente já fora do procuração, os senadores decidiram seguir em frente com o julgamento por unicamente 56 votos em prol e 44 contrários.

VÍDEOS: a invasão de Trump ao Capitólio

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments