Advogados de Edenilson mandam a real sobre Rafael Ramos: “contradições”

O corpo jurídico do Internacional emitiu uma nota para apresentar elementos que destacam contradições nas versões apresentadas pelo atleta Rafael Ramos na investigação. O jogador do Corinthians foi acusado de racismo por Edenilson durante a partida entre as duas equipes no Brasileirão.

O lateral ofereceu quatro versões durante as investigações e o Internacional pontuou diferenças nos detalhes ditos pelo jogador.

No documento, os advogados destacam a técnica utilizada pelos peritos na coleta de material comparativo de portugueses de diferentes regiões, além de outros elementos. O corpo jurídico afirmou que há “contradições importantes nos depoimentos prestados pelo investigado no Estádio Beira-Rio e no Superior Tribunal de Justiça Desportiva”.

Nos últimos dias, a Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu o inquérito do caso e decidiu indiciar Rafael Ramos pelo crime. A confirmação foi feita pelo delegado Roberto Sahagoff, titular da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Porto Alegre.

O Ministério Público (MP) está analisando a situação e vai definir se irá oferecer a denúncia contra o jogador ou se deixará o caso arquivado. Também é possível que haja uma ampliação da investigação por parte da polícia.

O motivo utilizado para o indiciamento de Rafael Ramos

Segundo o jornalista Jeremias Wernek, que conversou com o delegado Roberto Sahagoff (titular da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Porto Alegre), o testemunho dado por Edenilson após o jogo foi utilizado para realizar a ação contra Rafael Ramos.

A justiça entende que o depoimento tem força relevante e em outros casos a palavra da vítima já foi usada como prova. Há indícios de injúria racial, embora a perícia, feita pelo Instituto Geral de Perícias (IGP), tenha sido inconclusiva.

Ainda é possível que o caso siga com novas diligências nas próximas semanas. Em resposta aos ocorridos recentes, a defesa do Corinthians, comandada pelo advogado Daniel Bialski, entrará com um requerimento para cancelar o indiciamento do jogador.

O clube também vai entrar com uma representação contra o delegado do caso na Corregedoria da Polícia Civil do Rio Grande do Sul para apurar “abuso de autoridade e o excesso”.