Advogados de Airton pedem para Processante condução coercitiva de testemunha

A possibilidade foi aventada pela defesa do prefeito, que faltou na oitiva marcada para ele na quarta-feira (21)

De:  Redação São Carlos

Airton é processado por quebra de decoro. Foto: Bruno Moraes/acidade on

A Comissão Processante que pode cassar o mandato do prefeito de São Carlos, Airton Garcia (União Brasil) vai convocar novamente o político Júlio César Pereira de Souza e Waldomiro Antônio Bueno de Souza, testemunhas que faltaram às oitivas nesta semana.

Sobre o político, que alegou artigo no Código de Processo Penal para se isentar de participar por ser esposo da dona do terreno que foi beneficiado pelos pagamentos irregulares, há a possibilidade de condução coercitiva caso o candidato a deputado estadual falte novamente. A possibilidade foi aventada pela defesa do prefeito, que faltou na oitiva marcada para ele na quarta-feira (21).

Os novos passos da investigação foram decididos na quinta-feira (22).

Os novos depoimentos marcados serão realizados na quarta-feira (28). Julio Cesar será ouvido às 14h e Bueno na sequência.

LEIA MAIS
Azuaite: Wanda Hoffmann se “preocupa com picuinha”, mas não com o “essencial”
Facção criminosa afirma que é “fake” notícia sobre ataque no dia das eleições

 

Entenda o caso
A Comissão Processante foi aberta no final de julho para apurar pagamento indevido de locação de um terreno no bairro Cidade Aracy que era usado como entulheira. Ele é processado politicamente por quebra de decoro e omissão.

A denúncia é originária do Ministério Público que abriu ação civil pública para pedir reparação dos recursos usados. O prejuízo aos cofres públicos foi de R$ 300 mil, segundo a Promotoria.

O processo aponta que a Prefeitura manteve contrato de locação de terreno sem serventia ao município. Promotores acusam, ainda, a administração de prorrogar ilegalmente a locação, em prejuízo que superou em duas vezes o valor do imóvel.

Os contratos foram pagos indevidamente entre maio de 2013 e outubro de 2017, e entre setembro de 2019 e janeiro de 2021. Os valores pagos variaram entre R$ 2 mil e R$ 4 mil mensais, conforme o processo.  
 


Cronologia dos fatos
Setembro/2010: Terreno é alugado pela administração para ser usado como aterro de resíduos da construção civil. O imóvel é de propriedade de José Jonas Pereira, pai do político Julio Cesar Pereira de Souza, ex-candidato a prefeito e que concorre a deputado estadual nesta eleição.

Início de 2013: Fiscalização da Cetesb determina o fechamento do local.

2014: Fiscal relata que o terreno estava vazio, abandonado, sem atividades e aplica multa pelo descuido. Ao Ministério Público, o agente afirma que havia placa de “Aluga-se” no local.

Junho/2016: terreno é vendido à Quattroporto Consultoria Ltda., de propriedade de Rosangela Catani e Souza, esposa de Júlio César. O imóvel foi comprado em dinheiro, segundo o Ministério Público.

Março/2018: Prefeito Airton Garcia e Quattroporto celebram prorrogação retroativa do contrato. Neste processo, o município reconhece que “usava” o imóvel entre 11 de maio de 2013 e 31 de outubro de 2017. Um pagamento de R$ 148 mil foi realizado devido ao aluguel “atrasado”. Em paralelo, a Câmara de Vereadores aprovou uma suplementação do Orçamento Municipal para quitar o débito. Secretário da fazenda reconhece imunidade tributária do imóvel, livrando os proprietários de pagamento de R$ 31 mil em IPTU.

Setembro/2019: Um novo contrato de locação é feito para a “instalação de projetos esportivos e culturais”. O pagamento mensal acordado foi de R$ 4 mil, com isenções fiscais, pelo prazo de quatro meses.

Março/2020: Prefeito Airton Garcia e Rosangela Catani assinam prorrogação de locação por 12 meses, em meio ao turbilhão do surgimento da pandemia de Covid-19. O contrato valeria, de forma retroativa, de 27 de janeiro de 2020 a 26 de janeiro de 2021. Outra isenção de IPTU é lançada.

Janeiro/2021: Prefeitura conclui que imóvel que sequer foi usado não era adequado para a realização de atividades esportivas e inicia processo de devolução.

Abril/2021: administração paga locação entre janeiro e abril de forma integral, mesmo tendo o contrato já vencido.

Maio/2022: Ministério Público ingressa com ação civil pública para apurar perda patrimonial, dilapidação de haveres e malbaratamento na administração por parte de Airton Garcia.

Julho/2022: Professora e presidente do Diretório Municipal do PSOL apresenta denúncia do caso à Câmara Municipal, que aprova a abertura de Comissão Processante por 18 votos a 3.

VEJA TAMBÉM
Expoflora 2022: Veja o que fazer no último final de semana da exposição