Advogados cooptados pelo do PCC têm registro ativo na OAB

Darcianne Diogo Claudia de JesusESPECIAL PARA O CORREIODaniel MarquesESPECIAL PARA O CORREIO

postado em 01/08/2022 05:47 / atualizado em 01/08/2022 06:00

Gravatas do PCC – (crédito: pacifico)

Responsáveis por garantir a defesa aos acusados de crimes, os advogados criminalistas têm papel indispensável no resguardo do funcionamento de um estado democrático. Por esta razão, a legislação lhes confere prerrogativas que asseguram o pleno exercício da defesa dos clientes. Essa relação advogado-cliente pode abrir margem para distorções. A mais perigosa delas é quando alguns desses profissionais são recrutados por organizações criminosas para integrar a célula jurídica da cúpula. Na maior facção do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC), o “departamento” de apoio jurídico aos faccionados é chamado de “Sintonia das Gravatas”. Dos 54 criminosos denunciados pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) na Operação Ethos, em 2015, por integrar organização criminosa, 39 são advogados. Levantamento feito pelo Correio mostra que, desse total, 35 advogados paulistas continuam com o registro ativo na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP) até junho deste ano, e podem exercer a profissão sem restrições.


A referida denúncia do MPSP de 2015 trata de uma carta encontrada sobre os telhados da Penitenciária Maurício Henrique Guimarães, em Presidente Venceslau (SP). No manuscrito, constava a informação de que dois advogados integrantes do PCC estariam cooptando o então vice-diretor do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana de São Paulo (Condepe) da época, condenado por receber dinheiro da facção em troca da implantação de acusações falsas de violação dos direitos humanos. As investigações da época tomaram uma dimensão maior após a polícia descobrir um grande esquema de pagamentos de propinas a agentes públicos do estado, a partir da célula jurídica da facção composta à época por mais de 40 advogados.

“A partir dessa célula, os advogados integrantes prestam serviços aos líderes da organização criminosa, como assistência aos familiares dos presos, em auxílio funerário ou em contribuições financeiras para imprevistos, realizando um adiantamento ao familiar ou ao afiliado da organização, que, posteriormente, lhe será reembolsado”, diz trecho da denúncia.

Os membros do PCC raramente contam com o apoio jurídico dos advogados recrutados para o crime. A função da defesa geralmente é encarregada a outros profissionais da área. Dessa forma, os “gravatas” constituem-se numa associação criminosa que, sob o manto constitucional do sigilo das informações dos clientes, passam a praticar os crimes ordenados pela facção.

Condenações

Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, chefe do PCC, foi sentenciado pela Justiça de São Paulo a pena de 30 de anos de reclusão por integrar e liderar organização criminosa e pela prática do crime de corrupção ativa.

Ficou claro para a Justiça que Marcola tinha total liderança na célula jurídica da facção. Em um dos e-mails enviados por uma advogada com recado destinado ao chefe, ela pergunta se o criminoso precisa de algum medicamento e o informa sobre a aplicação até de botox. “Percebo que o réu é dado tratamento diferenciado dos demais presos, até mesmo daqueles que compõem o Conselho Deliberativo, eis que é a própria advogada que o questiona sobre a necessidade de tratamento médico, sem a necessidade de prévia requisição, como se viu aos demais custodiados”, aponta o juiz Gabriel Medeiros, em sentença assinada em 21 de fevereiro de 2018.

No mesmo processo, 39 advogados foram denunciados e alguns condenados. No entanto, a maioria dos processos ainda seguem em andamento na Justiça, com direito a recursos pela defesa. Ainda como resultado da Operação Ethos, em outubro de 2017 seis advogadas foram condenadas a penas que variam de 8 a 17 anos de reclusão em regime fechado. Dessas, cinco estão com registro ativo na OAB-SP e uma inativa. No mesmo ano, em novembro, outros sete “gravatas” foram condenados pela Justiça, todos a pena privativa de liberdade no regime fechado. Seis deles estão ativos.

A reportagem questionou a ouvidoria-geral do Conselho Federal da OAB em busca de dados sobre o Cadastro Nacional de Sanções Disciplinares (CNSD) mantido pelo órgão. No entanto, a resposta foi de que a competência para tratar do assunto é das OABs regionais.

O Correio também entrou em contato com a seccional de São Paulo da OAB para ter acesso a dados estatísticos, não sigilosos, de advogados expulsos e ou que sofreram qualquer penalidade por envolvimento em organização criminosa. Foram tentadas duas formas de contato: o Tribunal de Ética e Disciplina (TED) e a Presidência do TED. A OAB-SP não respondeu.

Gravatas no DF

Em janeiro de 2020, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) desencadeou a operação Guardiã 61, que desarticulou uma célula do PCC composta por, pelo menos, 30 integrantes do DF. Entre os alvos, estavam advogados da capital, que integravam a organização criminosa. As investigações mostraram, ainda, a participação de presidiários e criminosos egressos do sistema prisional. O grupo era responsável pelo tráfico de drogas e armas, roubos e ameaças a autoridades.

Denunciada pelo Ministério Público do DF (MPDFT), uma advogada de Brasília foi condenada a quatro anos, em regime aberto, por integrar organização criminosa. Segundo consta na denúncia, a advogada chegou a intermediar o transporte de familiares de faccionados do PCC de outros estados do país e até alugar “casas de apoio” de alto valor para os parentes dos criminosos, com o dinheiro da cúpula.

“A denunciada, malversando prerrogativas funcionais, promoveu interlocução ilícita entre integrantes presos da facção criminosa e o exterior de unidades penitenciárias distritais, difundindo recados de faccionados presos no DF e entorno para lideranças do PCC, o que permitiu que a horda delituosa mantivesse sua malha comunicativa e tomasse conhecimento de situações ocorridas no sistema prisional, podendo, então, tomar decisões informadas e adotar posturas reativas”, revela trecho da denúncia. Mesmo condenada, a advogada mantém situação regular na OAB-DF e na OAB-AM. No DF, 22 advogados foram expulsos desde 2008. No entanto, a motivação não é esclarecida.

 

  • Crédito: Sinditele Brasil/Divulgação. Ceará. Equipamentos queimados pelo PCC em represália a bloqueio de sinal de celular em presídio do Ceará e também das pichações que os bandidos fizeram com ameaças.

    Crédito: Sinditele Brasil/Divulgação. Ceará. Equipamentos queimados pelo PCC em represália a bloqueio de sinal de celular em presídio do Ceará e também das pichações que os bandidos fizeram com ameaças.
    Foto: Sinditele Brasil/Divulgação

  • Marcola chegou ao DF em março de 2019, onde ficou preso na Penitenciária Federal em Brasília

    Marcola chegou ao DF em março de 2019, onde ficou preso na Penitenciária Federal em Brasília
    Foto: Jose Varella/CB/D.A Press