advogados contra o ativismo judicial

-

- Publicidade -

O racha na OAB não é de hoje e qualquer um que acompanhe minimamente as notícias sabe exatamente por que os advogados estão divididos.

Há uma secção que apoia, ensejo ou veladamente, o atual presidente da entidade, Felipe Santa Cruz, em sua clara atuação política em prol de partidos, pautas e líderes da esquerda. E outra, ensejo ou veladamente contra essa atuação que coloca o nome da entidade e toda a categoria em cheque pela população.

No último sábado (20) a Publicação do Povo publicou reportagem sobre o tema revelando separação até na cúpula da Ordem dos Advogados do Brasil.

Não à toa a material ficou entre as mais lidas durante todo o termo de semana. Os leitores, cidadãos comuns, há meses se perguntavam se um dia essa corda não iria estourar.

- Publicidade -

Prisão de Daniel Silveira divide cúpula da OAB e posição política de Santa Cruz é questionada

Racha na OAB

Fontes ouvidas de forma anônima pela reportagem desabafaram. “Nunca, na história da Ordem, a posição política de quem a preside teve tanto peso, foi tão acentuada”. “O DNA da OAB é luta pela resguardo das liberdades, uma vez que a de frase, a de prelo, a de ir e vir”, disseram alguns dos advogados ouvidos.

Não é o que vem ocorrendo. A OAB, através de seu atual presidente, tem feito oposição explícita ao presidente Bolsonaro, haja vista a quantidade de ações impetradas pela OAB contra o governo, que vão de assuntos uma vez que a formação de conselhos federais até a forma de escolha de reitores nas universidades federais.

“A OAB tem que ser independente, criticar quando é preciso e concordar quando é preciso. Não dá para fazer oposição sistemática a qualquer coisa feita pelo governo. Ou por outra, deve ser obedecido o primaz do devido processo legítimo, da ampla resguardo, do contraditório”.

- Advertisement -

O base dito do presidente da OAB à prisão do deputado Daniel Silveira na semana passada, num ato inconstitucional do STF (referendado pela Câmara dos Deputados), que ignorou a isenção parlamentar prevista na Constituição de 1988, foi o pavio para mais advogados decidirem falar.

Assista à entrevista com o jurisconsulto Alfredo Scaff Rebento, pré-candidato à presidência da OAB-SP, clicando no play do vídeo no topo da página.

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments