Advogados conseguem cancelar o primeiro dia de julgamento do caso Tatiane Spitzner | Jornal Vernáculo

-

- Publicidade -

Uma atitude da resguardo provocou nesta quarta-feira (10) a suspensão de um julgamento de feminicídio, no Paraná. Luís Felipe Manvailer é réu de um dos casos de maior repercussão nos últimos anos.

No fórum de Guarapuava, já estava tudo pronto. O réu foi trazido muito cedo da penitenciária onde está recluso há dois anos e meio. Amigos e parentes de Tatiane Spitzner fizeram um protesto.

Por desculpa da pandemia, o juiz restringiu o aproximação à sala. A prelo não pôde fazer imagens. Mas a Justiça anexou ao processo a gravação da audiência.

O julgamento foi interrompido quando a primeira testemunha de denúncia ainda estava sendo ouvida. Advogados de Luís Felipe Manvailer alegaram cerceamento da resguardo e abandonaram o julgamento.

- Publicidade -

Os advogados de Luís Felipe queriam exibir em plenário novos trechos de vídeos gravados por câmeras de segurança do prédio onde morava o parelha, mas o juiz não autorizou porque o material não estava no processo.

“Isso é intolerável, que a resguardo de um criminado, de uma denúncia tão grave quanto essa, seja impedida de utilizar os materiais, as filmagens”, reclamou Claudio Dalledone, legista de Luís Felipe.

“A família, obviamente que recebeu essa atitude da resguardo com muita indignação. Porque o que a família quer é que o réu seja julgado”, afirmou Roberto Brzezinski, assistente de denúncia.

- Advertisement -

O juiz dissolveu o recomendação de sentença e agora vai marcar uma novidade data para o júri, que já tinha sido prorrogado duas vezes.

Em julho de 2018, Tatiane Spitzner foi agredida várias vezes pelo marido dentro do coche, na garagem do prédio e no elevador. Luís Felipe Manvailer também é criminado de ter jogado Tatiane do 4° caminhar do prédio.

As imagens mostram que ele carregou o corpo da mulher, limpou manchas de sangue e depois fugiu de coche. O biólogo nega o transgressão e diz que a mulher se jogou da sacada.

Luís Felipe responde por feminicídio, com ocupação de asfixia, meio cruel e fraude processual.

- Publicidade -

Compartilhe

Recent comments