Advogados apresentam queixa ao TPI pelo assassinato de Shireen por atirador de Israel – Monitor do Oriente

Advogados que representam a família de Shireen Abu Akleh apresentaram uma queixa ao Tribunal Penal Internacional (TPI) exigindo responsabilidade pelo assassinato da jornalista palestina-americana e os disparos contra seu colega Ali Samoudi por um atirador israelense em maio.

A queixa foi entregue em mãos hoje por advogados de Bindmans LLP e Doughty Street Chambers. Representantes da Federação Internacional de Jornalistas (IFJ), do Sindicato dos Jornalistas Palestinos (PJS) e do Centro Internacional de Justiça para os Palestinos (ICJP) realizaram uma coletiva de imprensa conjunta com os advogados esta manhã fora da corte.

A nova denúncia segue a submissão de abril de 2022 ao Tribunal, que solicitou que o promotor do TPI iniciasse uma investigação sobre a perseguição sistemática, mutilação e assassinato de jornalistas e destruição de infraestrutura de mídia na Palestina. Shireen foi morta apenas alguns dias depois que o promotor do TPI reconheceu o recebimento da primeira queixa. O grupo contratou os principais advogados da Bindmans LLP e da Doughty Street Chambers para representar as vítimas no TPI.

A queixa de abril do grupo detalha o ataque sistemático a jornalistas palestinos em nome de quatro vítimas – Ahmed Abu Hussein, Yaser Murtaja, Muath Amarneh e Nedal Eshtayeh – que também foram mortos ou mutilados por atiradores israelenses enquanto cobriam manifestações em Gaza. Todos usavam coletes PRESS claramente marcados no momento em que foram baleados. A denúncia também detalha o ataque à infraestrutura da mídia, incluindo o bombardeio das torres Al-Shorouk e Al-Jawhara na cidade de Gaza em maio de 2021.

O irmão de Abu Akleh, Anton Abu Akleh, disse que faria o que fosse necessário para garantir a responsabilização por seu assassinato. “Como dissemos antes, e como outros relatórios disseram anteriormente, houve mais de 16 tiros disparados contra Shireen, a mídia e seus colegas que estavam naquele beco”, disse Anton. “Eles até miraram na pessoa que estava tentando puxá-la para um local seguro depois que ela foi derrubada.”

LEIA: A brutalidade e a morte como formas de opressão de Israel aos palestinos

Anton exortou o governo dos EUA a fazer o “mínimo mínimo” levando à justiça o assassino da destacada jornalista da Al Jazeera. Ele alegou que a razão pela qual os Estados Unidos não deram prioridade à responsabilização do assassino é porque o atirador é israelense e sua vítima é palestina. “Deve haver consequências quando um militar mata impunemente. Nenhuma outra família deveria ter que enfrentar isso e nós buscamos o caso em seu nome”, acrescentou Anton.

Jim Boumhelha, ex-presidente da FIJ, disse que foi um “dia histórico” não apenas para a família de Abu Akleh, mas também para os jornalistas palestinos que foram alvo de ataques das forças israelenses. Boumhelha explicou que buscar justiça para jornalistas palestinos dentro dos tribunais israelenses nunca funcionou, devido à falta de um processo justo e confiável. Mas, no entanto, ele disse que permanece otimista. Shireen tornou-se um emblema do ataque rotineiro de Israel a jornalistas palestinos, disse Boumhelha.

A advogada da Doughty Street Chambers, Tatyana Eatwell, disse que o assassinato de Abu Akleh não é um incidente isolado, mas “emblemático do ataque sistemático a jornalistas palestinos”. A incapacidade de responsabilizar Israel levou a uma cultura de impunidade. “As consequências da impunidade são profundas”, disse Eatwell, acrescentando que a impunidade concedida a Israel cria uma situação em que atos de violência realizados contra jornalistas palestinos se tornam uma norma.

O relatório da Unidade de Investigação de Arquitetura Forense de Al Haq sobre a morte de Shereen, que foi submetido ao TPI, revelou que Shireen foi deliberadamente alvo de um atirador israelense e impedida de receber atendimento médico. Nenhum tiro foi disparado por algum atirador palestino e nenhum palestino armado estava nas proximidades no momento do assassinato de Abu Akleh pelo atirador israelense.

LEIA: Outra jornalista morta por Israel, outro funeral atacado por soldados