Advogado empreendedor: seu escritório precisa desse olhar

O uso da tecnologia, de diferentes formas e para diversas realizações de trabalho, já era uma tendência antes mesmo da pandemia de Covid-19, mas, com a necessidade de isolamento social e medidas de prevenção à saúde, esse processo teve uma significativa aceleração, tornando o ambiente digital um meio para negócios e captação de clientes, estabelecendo novas maneiras de consumo e também de exercer profissões, como a do advogado. Num mundo de transformações, é necessário acompanhar o mercado e as mudanças de demanda e cultura que surgem e, de maneira rápida, resultam na oportunidade de desenvolver o empreendedorismo dentro da advocacia e conquistar as tão sonhadas: independência profissional e liberdade financeira.

De acordo com a última atualização da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o país tem hoje 1.238.119 profissionais atuantes no mercado e, segundo o portal StartSe, a projeção é que sejam mais de 2 milhões até 2032. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimam que a população brasileira seja de 213.317.639 pessoas, o que resulta em aproximadamente 1 advogado para cada 172 habitantes. Com tanta concorrência, como ter destaque, oferecer seus serviços e proporcionar diferencial na experiência do seu cliente?

Um empreendedor jurídico é dono do próprio negócio e necessita ter essas respostas e ainda olhar para o escritório como uma empresa, sabendo que vai precisar entender de processos, treinamento de pessoas, contabilidade e gestão. A garantia é que empreender traz resultados, basta confiar e continuar investindo tempo e conhecimento no escritório físico ou remoto.

Acompanhar as transformações do mercado é essencial

O mercado é cíclico, logo as oportunidades também e isso significa que o advogado deve estar atento a ele, que por si só já representa uma quebra de paradigma. A faculdade, por exemplo, ensina a olhar para as matérias do Direito de forma isolada e quando trazemos esses aprendizados para a vida profissional e o mundo real é comum continuar achando que essa maneira de pensar vai funcionar, o que não acontece porque alguns segmentos se entrelaçam e conversam entre si, muitas vezes até ao mesmo tempo.

Olhar para o mercado é fundamental para que o advogado possa detectar qual é a melhor oportunidade dentro daquele cenário e momento. Ter atenção e intenção é o que vai conduzir os profissionais às inovações necessárias para o sucesso e para que isso aconteça é preciso deixar a teoria e as matérias do Direito nos bancos acadêmicos. O segredo para alavancar sua carreira como advogado está no cliente e em você se tornar especialista nele.

Escritório físico x Escritório remoto

Não depender de um escritório físico é a realidade de muitos advogados, inclusive a minha depois de 18 anos de advocacia, e um dos benefícios de quem desenvolve o empreendedorismo jurídico. Entretanto, para que a experiência remota seja positiva é preciso se atentar a dois fatores: o mercado que o advogado atende e a metodologia desenvolvida nos processos dessa empresa.

O profissional que atua no mercado digital, ou seja, com influenciadores, produtores de cursos online, estrategistas digitais e e-commerces, por exemplo, tem facilidade de estar nesse meio porque seus clientes estão habituados às operações online, o que permite oferecer uma assessoria jurídica que tem o modus operandi compatível, resultando numa oportunidade perfeita. Entretanto, as transformações e impactos da pandemia no comportamento das pessoas faz com que seja possível adaptar o atendimento e operação pela internet para os mais variados nichos, fazendo com que o advogado que use das tecnologias e esteja nas redes sociais ganhe cada vez mais destaque e consiga trabalhar de qualquer cidade do país atendendo qualquer brasileiro.

Deixar de ter um escritório físico demanda preparo e exige metodologia. Há de se desenvolver processos, procedimentos e rotinas eficientes de modo que o advogado, sua equipe e, principalmente, seus clientes se sintam seguros. Assim, o advogado que conseguir conjugar o atendimento ao mercado certo com a metodologia correta pode deixar de depender, com confiança, de um escritório físico. Isso corrobora com o conceito de liberdade geográfica, um dos pilares que asseguram as vantagens de empreender na advocacia, e ainda economia com aluguel, condomínio e demais despesas que abarcam um local físico.

Vantagens de ser um advogado empreendedor

Empreender não é para todos e não há nenhum problema nisso. Existem advogados que preferem não arriscar, não se veem prospectando clientes ou vendendo seus serviços e não tem afinidade com gestão financeira ou gestão de pessoas. Ser um empreendedor requer planejamento, adequação às demandas, estabelecimento de processos, foco, conhecimento do seu nicho, estar atualizado sobre o mercado e, mais que isso, estratégias nas mais diferentes áreas que envolvem uma empresa, tais como vendas, marketing, logística, recursos humanos, contabilidade, entre outros.

Pode parecer, num primeiro momento, algo confuso e desafiador, mas para aqueles profissionais que já se sentiram atraídos pelo empreendedorismo jurídico, ter o próprio escritório resulta em liberdades muito almejadas, tais como:

  • Liberdade geográfica, para atuar de qualquer lugar;
  • Liberdade para definir a cultura da sua empresa, desde que você encare seu escritório como um empreendimento;
  • Liberdade para contratar pessoas que tem princípios e valores condizentes aos seus;
  • Liberdade para definir sua própria rotina e assim flexibilizar seus horários; e
  • Liberdade financeira, que precisa de metas bem definidas, plano de ação e também metodologia de mercado para acontecer.

Empreendendo na advocacia

Os resultados não virão de um dia para o outro, mas, para que eles possam surgir é preciso começar e empreender juridicamente envolve coragem, método e planejamento. Ser um advogado empreendedor pode te destacar na hora de prospectar clientes e ser o diferencial para alavancar sua carreira.

Para que isso aconteça é preciso estar disposto a correr riscos e também calculá-los, definir metas claras, ter um plano de ação, dedicar-se a conhecer profundamente e minuciosamente o mercado que você vai atuar e aprender com quem está onde você gostaria.

Além disso, é de suma importância que você invista em marketing digital porque dessa maneira vai acompanhar as tendências comportamentais da população e estar no ambiente em que seu cliente frequenta e assim, possa chegar até você. Investir em si mesmo é o início para estar cada vez mais presente no meio jurídico, seja na assessoria de empresas, consultoria para personalidades, atendendo mercados nichados ou recebendo indicações. Lembre-se que a melhor propaganda é realizada pela satisfação dos clientes, que se tornam embaixadores da sua marca (sim, o seu escritório é uma empresa e uma marca) e trazem outros consumidores através da sua experiência.

Por fim, é preciso também estar atualizado ao próprio mercado e conhecimentos do Direito e, por isso, é preciso que o profissional empreendedor busque aprender constantemente, seja aumentando sua formação ou por meio de cursos livres que lhe ofereçam bagagem para se adaptar às tendências e atender o mercado.