ABAM faz live especial sobre empoderamento feminino com a advogada Maria Cristina Santiago (Kiu), nesta terça-feira

Dentro da programação alusiva ao Dia Internacional da Mulher, celebrado nesta terça-feira, 8 de março, a Associação Brasileira da Advocacia Municipalista (ABAM) promoverá uma live especial com a participação da advogada e professora, Maria Cristina Santiago (Kiu). O evento on-line terá como pauta o tema “empoderamento feminino e as conquistas das mulheres no mercado profissional”. A transmissão será a partir das 16h30, pelo perfil da ABAM no instagram (@abamadv).

De acordo com o presidente da ABAM, o advogado Marco Villar, a live terá o objetivo de discutir o empoderamento feminino diante de um cenário, cada vez mais promissor, mas que ainda há muito o que evoluir para garantir o reconhecimento efetivo da força da mulher no contexto profissional.

“As mulheres têm ocupado espaços de destaque seja na advocacia, na política, no serviço público e nas mais diversas áreas de atuação profissional, mas ainda temos relatos que muitas encontram dificuldade de crescimento no mercado e na ascensão profissional, ou que precisam deixar seus empregos para poderem cuidar da família. Então, nada melhor do que propor um bom debate sobre o tema com uma profissional de sucesso, que tem voz ativa no universo feminino, que é a doutora Kiu”, destacou.

SOBRE A PARTICIPANTE

Mestre e doutora em Direito pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Maria Cristina Santiago (Kiu) foi presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família na Paraíba (2019-2021), sendo eleita secretária-geral do instituto para o triênio 2022-2024, área que atua.

Voz feminina ativa, Kiu foi a primeira mulher a disputar o cargo de presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba (OAB/PB) nos 90 anos de história da entidade, ficando com a segunda colocação no pleito eleitoral da advocacia paraibana, disputado em novembro de 2021.

8 DE MARÇO

No dia 08 de março de 1957, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque (EUA) entraram em greve por melhores condições de trabalho e a manifestação terminou com muita violência. A data frisa a importância da mulher na sociedade e traz a narrativa da luta por seus direitos.

Esse evento é tão singular na história do Dia da Mulher, que a Organização das Nações Unidas (ONU) escolheu a data desses acontecimentos para homenagear as mulheres, suas lutas e suas conquistas.

E com todos esses desafios e vitórias, as mulheres continuam, no início do XXI, lutando por uma grande parte dessas reivindicações e enfrentando uma outra enorme “guerra” contra a violência e o assédio.

Não é somente um texto sobre o Dia da Mulher que irá mudar tudo isso. Para que a comemoração do Dia Internacional da Mulher seja possível, precisamos construir mudanças culturais e comportamentais em nossa sociedade. É necessário desconstruir a imagem da mulher vista como submissa, relegada ao meio doméstico e historicamente dominada pelos homens, para que as mulheres conquistem mais espaço na engenharia, na ciência, no mundo corporativo e onde ela encontre felicidade e estabilidade.