A disputa judicial por tanque da 2ª Guerra que emérito guardava no porão

Advogados e promotores na Alemanha estão tentando dificuldades para definir o que fazer com um idoso emérito que armazenou um tanque da 2ª Guerra Mundial, uma arma antiaérea e um torpedo no porão de mansão.

Os itens foram removidos da residência dele, na cidade de Keikendorf, no setentrião do país, em julho de 2015, com auxilio do Tropa. Promotores e advogados de resguardo estão agora negociando possíveis penalidades, incluindo uma multa que pode chegar a 500 milénio euros, o equivalente a mais de R$ 3 milhões.

O idoso de 84 anos também precisará encontrar novos lares para os itens de tamanho monumental. De convenção com o jurista dele, um museu nos Estados Unidos está interessado em comprar o tanque Panther. Vários historiadores argumentam que esse era o mais eficiente veículo usado pelas tropas alemãs na 2ª Guerra Mundial.

O jurista também disse que vários colecionadores alemães abordaram seu cliente, interessados em comprar rifles, pistolas e outros itens que ele mantém, segundo a prensa lugar.

Numa audiência judicial em 26/07, na cidade de Kiel, a respeito de 100km de Hamburgo, advogados tentavam determinar se a coleção militar do idoso violava a Lei Alemã de Controle de Armas de Guerra. A legislação regula a fabricação, venda e transporte de armas militares.

A resguardo do varão de 84 anos argumenta que várias das armas não funcionam mais e que o tanque Panther foi comprado por ele porquê sucata. Eles estão considerando concordar uma multa mais baixa, de €50,000, segundo o jornal Die Welt.

Enquanto isso, promotores afirmam que secção das armas mantidas pelo idoso ainda podem ser usadas.

Registro histórico de um tanque boche Panther ermo na Itália em 1944

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Em julho de 2015, foram necessários 20 soldados e quase nove horas para retirar o tanque Panther do porão do idoso e colocá-lo num veículo de carregamento para que fosse transportado. O tanque estava sem os pneus.

Autoridades locais teriam recebido a dica sobre a existência desses armamentos militares de colegas que atuavam em Berlim e que haviam vistoriado a mansão do idoso antes em procura de arte roubada pelos nazistas.

Uma decisão final sobre o caso deve ocorrer em agosto de 2021.